ANÁLISE

ALTA RODA

Polo de atrações


Novo VW torna-se referência entre compactos no Brasil


Um modelo fabricado no Brasil, inteiramente novo, estrear praticamente em sincronia com a Europa é caso raro. O novo Polo, no entanto, vai bem além disso ao se tornar referência entre os compactos oferecidos aqui. Não se trata de opção para a base desse segmento, mas no extrato superior onde já trafegam Ford Fiesta, Citroën C3, Peugeot 208, Honda Fit e o mais recente, Fiat Argo.

O compacto da VW se destaca pelas dimensões, em especial largura (1,71 m) e distância entre eixos (2,56 m), além do volume do porta-malas (300 litros). Supera ou no mínimo empata com qualquer dos rivais. Oferece ainda três opções de motor: 1 litro aspirado (84 cv), 1,6 aspirado (117 cv) e 1 litro turbo (128 cv). Distribuição das vendas deve se situar em 5%, 25% e 70%, respectivamente. Todas as versões de maior potência terão sempre câmbio automático com conversor de torque de seis marchas.

A marca aposta tanto no modelo que até fez pequenos retoques estilísticos na frente e na traseira para diferenciá-lo levemente do homônimo alemão e atender o consumidor brasileiro. Até o túnel central foi levemente rebaixado. Há saídas de ar-condicionado e entradas USB para os passageiros do banco traseiro, características de modelos mais caros. Oferece ainda um inédito quadro de instrumentos de 10,3 polegadas que projeta o mapa de navegação em tela cheia, se assim for configurado, além do conjunto multimídia central embutido no painel e inclinado para o motorista.

Seu estilo destaca vincos laterais ousados, além de faróis e lanternas traseiras de traços marcantes. Cuidados com segurança passiva e ativa o colocam no topo dos compactos produzidos aqui. É o primeiro a atingir nota máxima (cinco estrelas para adultos e crianças) dentro dos novos protocolos do Latin NCAP. Na classificação total somou mais pontos que o Corolla nacional de sete airbags (Polo inclui quatro).

Outra quebra de paradigma da marca alemã é posicionamento de mercado competitivo pelo que oferece. Começa em R$ 49.990 e vai a 69.190. Incluídos opcionais mais sofisticados do topo de linha, o preço promocional de lançamento alcança R$ 73.650. Custo somado das três primeiras revisões anuais é de R$ 999, dentro de um pacote agregado ao preço inicial de venda. Primeiras entregas, só no início de novembro.

Primeiras impressões da versão de topo e motor mais potente, em trechos urbanos e de estrada, confirmou o esperado de um projeto moderno. Posição de dirigir, visibilidade, respostas imediatas do conjunto motor-câmbio automático, carga ideal na direção, suspensão de nível superior (um pouco menos dura em relação aos padrões da marca) e freios bem dimensionados formam um conjunto quase imbatível no cenário atual. Banco bem dimensionado, de maciez correta e regulagem longitudinal superior à média do segmento proporciona viagens sem cansaço. Quem se senta atrás tem ótimo espaço para pernas, ombros e cabeça.

Também surpreendeu a versão de câmbio manual com motor 1,6 litro de quatro cilindros (os outros dois são tricilindros) pela elasticidade e suavidade.

Pontos fracos, poucos, existem. Materiais poderiam ser mais sofisticados, como o resto do carro. Não existe nenhuma alça de apoio no teto (Argo, por exemplo, tem três).

RODA VIVA

COMO ANTECIPADO pela coluna, Toyota anunciou produção no Brasil da versão tailandesa (dimensões maiores do que a europeia) do hatch Yaris. Sedã Vios também virá, porém a empresa preferiu adiar o anúncio para não fazer “sombra” ao Corolla atual (novo será maior, em 2019). Yaris chega ainda no primeiro semestre de 2018, embora a fábrica tenha anunciado segundo semestre.

CÓDIGO de Trânsito Brasileiro em vigor completou 20 anos agora em setembro. Recebeu várias emendas, algumas para melhor e outras para pior. Uma mudança necessária é o prazo curto demais (15 dias) para indicação de um condutor que não tenha sido responsável pela infração. Não existe razão justa para isso. E os Correios se distanciaram da antiga confiabilidade.

AUDI RS5 chega ao Brasil em abril de 2018. Em primeira avaliação, nos arredores de Munique (Alemanha), o cupê médio-grande se destacou não somente pelo desempenho do seu motor V-6 de 450 cv e espantosos 61,2 kgfm de torque. Tração quattro garante segurança e precisão de trajetória. Peso diminuiu em 60 kg. Acelera (mesmo) de 0 a 100 km em apenas 3,9 s.

VOLTA da Ssangyong comprova: nenhuma marca esquece o mercado brasileiro, que foi o quarto maior do mundo. A sul-coreana (controlada pela indiana Mahindra) tem especialização em SUVs: Tivoli e XLV (compactos), Korando e Rexton e picape de cabine dupla Actyon Sports. Vendas, à exceção do Rexton, só no começo de 2018. Previstas 3.000 unidades/ano.

MERCADO de conserto rápido de pequenos amassados (até 50 cm) e de “martelinho”, a preços até 40% menores, tende a se expandir. A rede Disk Reparo, que também atende em domicílio sem queda de qualidade, foi adquirida pela Carglass, do grupo inglês Belron, e assim ganha fôlego. Estará em todas as capitais brasileiras, além das atuais em SP, RJ, MG, PR, RS e DF.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement

Comentários: 3
 

Gian
27/09/2017 | 15h28
"Pontos fracos, poucos, existem." Porque não destaca os pontos fracos ??? Não estava no pagamento pra fazer esse "merchan" ??? Infelizmente o Polo trás motor 1.6 VELHO, porém cobra caro por isso !!!! É totalmente desnivelado de preço, afinal, um carro 1.0 partir de R$50k é no mínimo ridículo ... Carros com motorização 1.0 não seriam carros de "entrada" ou "populares" ? Fora a quantidade de plástico duro dentro do carro, um Polo da Estrela (a fábrica de brinquedos) ..... VW é uma fanfarrona, brincalhona do Diesel Gate .... Mas esperemos os desinformados gastarem dinheiro nesse carrinho.

Gian
27/09/2017 | 15h31
Ah, e você destaca "alça de apoio no teto" ... kkkk ... Ah Sr. Calmon, tome tento e fale coisas expressivas !!! rs ... muita imparcialidade ...

Marcelo Borghi
30/09/2017 | 20h17
Calmon, em um artigo você acaba com o Latin Ncap, em seu teste com o ridículo resultado do Onix, agora comemora o desempenho do Polo no mesmo teste. Decida-se!!!! Não é a toa que sua opinião quanto ao resultado do Onix x Latin Ncap tornou-se motivo de riso e chacota nas discussões.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: