Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Leticia Costa |

Ver todas as opiniões
Leticia Costa

13/08/2018

Novos desafios no horizonte até 2030

Com evolução tecnológica, setor automotivo precisará trabalhar em parceria com outros segmentos para garantir padrões

Uma nova fase se descortina no setor da mobilidade com o avanço de transformações disruptivas no mundo. É primordial neste momento que a indústria brasileira olhe para frente, considerando todas as transformações que já se desenham, assim como as implicações de cada mudança para a qualidade. Embora possam parecer pequenos, os efeitos deverão ser bastante expressivos.

Entre as perspectivas para o horizonte 2030 está o crescimento da demanda por veículos elétricos, conectados e autônomos, o que exigirá a introdução de novas tecnologias que hoje não necessariamente são dominadas pela indústria, como as baterias e as soluções em conectividade. Potencialmente, vários players estarão envolvidos na entrega da solução para os clientes.

Neste cenário, a indústria irá se deparar com desafios de qualidade que não são aparentes na atualidade. Exemplo disso são os cyber attacks. Se você for visitar uma fábrica hoje, poucas pessoas na área de qualidade estarão preocupadas com ameaças à segurança digital. Mas lá na frente, com os modelos conectados e compartilhados, o tema passará a ser primordial para a indústria como um todo.

O desafio é maior do que parece porque ainda não está claro quem irá assumir o papel de prover a conectividade de um carro. Por exemplo, será uma montadora ou o Google? Isso significa que há potencial para redefinir os papeis e redirecionar as responsabilidades por qualidade, o que deve criar desafios porque o Google, embora possa dominar conectividade, não entende muito de carro. Outro cenário envolve várias empresas na formulação da solução – o que torna ainda mais difícil a tarefa de garantir a qualidade.

Nesse sentido, a indústria já precisa começar a definir quais devem ser os padrões de qualidade em preparação para uma fase de transformações que não se depara desde a sua criação. Os players da cadeia ainda deverão trabalhar de forma colaborativa com os desenvolvedores de softwares, na definição de rotas para garantir os padrões de qualidade, uma vez que um player sozinho não dará conta do recado.

Na medida em que enfrentar todas essas transformações, a indústria precisará evoluir os conceitos de qualidade na mesma velocidade, o que trará desafios para a cadeia como um todo, não somente para montadoras ou autopeças. Daqui para frente, a indústria precisará superar obstáculos importantes em qualidade, enfrentar questões totalmente diferentes daquelas que foram encaradas até agora.

Este e outros assuntos estarão na pauta do 6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva, que debaterá o tema “Os Parâmetros da Qualidade em Ano de Transição e Retomada dos Negócios”, com lideranças de montadoras, autopeças, concessionárias, distribuidores, oficinas, entidades setoriais, consultorias e governo, dia 10 de setembro, no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo.

Letícia Costa é sócia-diretora da Prada Assessoria e palestrante do 6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência