Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Cassio Pagliarini |

Ver todas as opiniões
Cassio Pagliarini

04/09/2019

Esperança para pequenos fornecedores

Auxílio à base da cadeia automotiva está previsto a partir da PPP, criada com o Rota 2030

Os fornecedores de autopeças são classificados em Tiers de 1 a 3. Os Tiers 1 vendem para as montadoras, os Tiers 2 para os Tiers 1 e os Tiers 3 produzem insumos diversos, de matéria-prima a componentes de base. O faturamento dos Tiers 1 segue fielmente o desempenho das montadoras para as quais diretamente.

Os Tiers 1 têm alternativas de compra de seus subconjuntos tanto de produtores locais como de gigantes internacionais ou de suas subsidiárias. Do lado doméstico, os custos logísticos são menores, é menor a necessidade de estoques e a negociação é mais fácil. Já do lado internacional, tudo é mais travado, porém mais seguro. Os grandes fornecedores internacionais têm a escala, a tecnologia, a marca a seu lado e são eles que ditam as negociações.

PEQUENOS FORNECEDORES E SEUS ENTRAVES


Os executivos da indústria já sabem que os pequenos fornecedores têm problemas com capital de giro, com a gestão e com a restrição de fontes de tecnologia. Mas não são apenas esses os seus entraves. Os repasses de preços não respeitam os aumentos dos insumos e obrigam esses produtores a uma rotina cada vez mais espartana. Os Tiers 3 têm pouco acesso a programas de produção e eles mesmos precisam fazer os estoques reguladores, caso contrário perdem vendas quando uma oportunidade incremental aparece – isso acontece também com muitos Tiers 2. A grande maioria dos Tiers 3 desconhece onde seus produtos são instalados, marcas e modelos, principalmente no caso de peças mais genéricas: subcomponentes, retentores, relés, lâmpadas.

ESPERANÇA COM ROTA 2030


Uma esperança surgiu no 27º Simea, com a notícia de que a iniciativa PPP – Projetos e Programas Prioritários –, criada com o Rota 2030, seja regulamentada em setembro. Essa resolução prevê auxílio aos fornecedores a partir dos depósitos de 2% das compras no exterior no regime ex-tarifário. Estão previstos investimentos nas áreas de pesquisa, produtividade, inovação, segurança, propulsão alternativa e outras transversais. Se bem administrada, a distribuição destes recursos poderá ser uma grande alternativa para as pequenas e médias empresas (PMEs).

A evolução do setor passa, fundamentalmente, pela gestão mais eficiente e focada nas prioridades de cada segmento, montadora e tecnologia. As montadoras e Tiers 1 também podem ajudar negociando o acesso à tecnologia e dividindo mais informações com sua cadeia. Essa gestão evoluída também se beneficiaria de uma fonte mais segura de informações sistemáticas de vendas, exportação e produção, que os permitissem trabalhar com estoque mais eficiente e previsões de vendas mais confiáveis. O mercado necessita urgentemente de informações robustas e confiáveis que garantam melhores decisões e, consequentemente, resultados que suportem a evolução futura das empresas.

Cassio Pagliarini

Bright Consulting

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB | 18/09/2012

Cuidem-se os outros

A chegada de mais uma marca oriental produzindo no Brasil vai acirrar e muito a competição pelos compradores.

Esta coluna é apoiada por:
Advertisement

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

AB | 11/01/2008

A empresinha

Eu odeio a TIM. Quando cheguei em casa, de volta do réveillon, no dia 4 de janeiro, encontrei um pacote com um celular da TIM, acompanhado de nota fiscal e contrato de venda. Era a segunda vez que isso acontecia. O detalhe é que eu não havia comprado celular nenhum...

AB Inteligência