Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Fernando Calmon |

Ver todas as opiniões
Fernando Calmon

30/10/2019

Alternativas japonesas

Novos Nissan e Honda chegam ao Brasil em 2020 e 2021

O Salão do Automóvel de Tóquio, que se encerra em 4 de novembro, é bienal, mas está em sua 46ª edição. Sempre voltado às nove principais marcas nacionais e, em muito menor escala, às de luxo: Lexus (Toyota), Acura (Honda) e Infiniti (Nissan). As três nunca empolgaram os compradores locais. Este ano a exposição apresenta poucas novidades, embora sirva de palco aos avanços a serem demonstrados nos Jogos Olímpicos do próximo ano, em especial os autônomos e elétricos.

Foram reconhecidas as limitações ao transportar atletas e pessoas ligadas à 22ª Olimpíada. Esse tipo de veículo só circulará em rotas específicas, a baixas velocidades e sem interação com o tráfego de carros convencionais. As fabricantes locais sabem perfeitamente das restrições e preferem deixar as badalações sobre automóveis sem motorista para outras plagas.

Entre os modelos de alta produção destacaram-se dois que chegarão ao Brasil em breve, as novas gerações do Honda Fit (em 2021) e do Nissan Versa, já no próximo ano. Ambos evoluíram bastante em termos de estilo, equipamentos e recursos tecnológicos, mas o Nissan virá do México. O Versa atual, produzido em Resende (RJ), continuará em linha rebatizado de V-Drive. O compacto da Honda terá versão híbrida (apenas a gasolina), assim como o topo de linha Accord.

O presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva, é um executivo que expõe ideias sem grandes rodeios. Até já admitiu que o Kicks terá opção igual à do Note japonês, líder de vendas no país de origem sem contar os subcompactos. Trata-se de um elétrico híbrido, também chamado híbrido em série. Com tração 100% elétrica, dispensa baterias caras e recargas demoradas: o motor a combustão (flex, aqui) apenas aciona um gerador. É só abastecer em um posto convencional para obter alcance superior a 1.000 km.

Silva surpreendeu ao admitir que outra solução vem evoluindo. Em até cinco anos seria possível abandonar a bateria em favor da pilha a hidrogênio, sem toda a infraestrutura custosa e específica de abastecimento. Hoje, o processo exige um reformador no veículo, volumoso e caro, para a partir do etanol produzir hidrogênio. Este abastece a pilha, que entrega energia elétrica ao motor. Único subproduto é vapor d’água. Ele revelou em Tóquio que o reformador poderá ser eliminado, o que abriria novo horizonte aos elétricos sem complicações e dúvidas existentes.

A Toyota exibiu um ultracompacto que batizou de BEV (sigla em inglês para veículo elétrico a bateria), em princípio para o mercado japonês. O simpático modelo de dois lugares, projetado para uso urbano, tem velocidade e alcance limitados. Visa atender à procura crescente por parte de pessoas idosas que buscam mobilidade independente. A empresa tem avançado com cautela nesse campo. Afirma que, à exceção da China, o automóvel dependente de bateria não garante modelo de negócio sustentável para fabricantes.

O consumidor comum, na maior parte do mundo, ainda reluta em acreditar nas promessas de felicidade sem esforço. E desconfia de subsídios elevados que governos podem retirar sem nenhum pudor se algo der errado.

ALTA RODA


PARECE que agora vai. Se fracassou o noivado Renault-FCA, a PSA (Peugeot, Citroën e Opel) agora pode se fundir com o grupo ítalo-americano, segundo o bem-informado Wall Street Journal. A possível união criaria uma empresa com capacidade de produzir 9 milhões de unidades/ano, 10% a menos que os Grupos VW e Toyota, primeiros colocados em nível mundial.

MERCEDES-BENZ GLC (R$ 294.900 a 329.900) e GLC Coupé (R$ 362.900) acirram a concorrência entre SUVs premium. Grades, lanternas e novas saídas de escapamento marcam o ano-modelo. GLC estreia motor diesel 2-L, com 194 cv/40,8 kgfm. Com tração 4x4 é pesado (1.835 kg) para esse trem de força, mas câmbio de 9 marchas ajuda. Assistência por voz (MBUX) é ponto de destaque.

VOLVO S60 apresenta boas soluções internas desde multimídia de tela vertical fácil de operar aos bancos dianteiros de primeira linha, além da atmosfera a bordo. Motor turbo 2-L com 254 cv oferece respostas vigorosas. Suspensões firmes e freios eficientes. Estilo evoluiu bem diante dos antigos Volvo. Condução semiautônoma é precisa, mas o porta-malas deveria ser maior.

DESENHO da carroceria continua meio superado no Suzuki Jimny Sierra. Motor tem agora mais potência (108 cv) e torque (14,1 kgfm), embora o câmbio automático de só quatro marchas seja inimigo do silêncio a bordo em estrada. Veterano SUV compacto ficou um pouco menos duro. Espaço interno é bem limitado e porta-malas tem inexpressivos 85 litros. R$ 103.990 a 111.990.

AMIT LOUZON, presidente da Ituran Brasil, afirma que sua empresa de rastreamento conseguiu diminuir de 55 para 26 minutos o tempo de resposta ao ponto de localização de um veículo roubado ou furtado. “Sofisticados algoritmos de grande complexidade resultam em análises comportamentais superprecisas, facilitando o trabalho das equipes de recuperação”, afirma.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência