Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Fernando Calmon |

Ver todas as opiniões
Fernando Calmon

18/12/2019

Etanol é alternativa viável ao carro elétrico

Combustível é competitivo no balanço de CO2 e dispensa mudança de infraestrutura

Terminou domingo passado a Cúpula do Clima (COP-25), da Organização das Nações Unidas (ONU), realizada em Madri. A preocupação permaneceu sendo as emissões mundiais de gás carbônico (CO2) que a maioria dos cientistas aponta como responsável pelo aquecimento do planeta e consequentes mudanças climáticas. Todos os países teriam de fazer um esforço gigantesco para limitar esse aumento de temperatura a 1,5 °C até o fim do século.

Embora os transportes terrestres não sejam a única – nem a principal – fonte de CO2, há certa “perseguição” ao automóvel. O problema é tão complexo que, mesmo a COP-25 se estendendo por dois dias além do programado, não se chegou a consenso de como financiar globalmente os enormes gastos decorrentes das metas. Nem reunindo cerca de 200 países apareceu a fórmula aceitável por todos.

O impacto sobre a indústria automobilística mundial ocorre de modo implacável, mas alguns países têm posições dúbias ou irreais. Os Estados Unidos são o único fora do acordo do clima, embora seja o maior emissor. A China apoia e até toma decisões em favor das limitações, mas ainda está longe de gerar bastante energia elétrica isenta de carbono. A Índia, quase tão populosa como a China, não demonstra compromisso relevante.

Existem mecanismos financeiros compensatórios, a exemplo de compra e venda de créditos de carbono. Os países teriam de se ajudar mutuamente, mas o grande problema é precificar e decidir quem paga e quem recebe. O Brasil até aparece bem na foto. Na próxima semana, começa o programa Renovabio. Os primeiros créditos de carbono para comercialização (Cbio) estarão disponíveis no início de 2020.

Na safra 2019/2020 o País produzirá 33,5 bilhões de litros de etanol hidratado e anidro (para mistura à gasolina). Trata-se de volume recorde e corresponde a quase 50% de participação no abastecimento da frota de veículos leves. O mais importante: redução de 80 milhões de toneladas de CO2 equivalente, em um ano.

No entanto, algum ruído surge agora quanto às emissões de gases poluentes regulados: óxidos de nitrogênio (NOx) e hidrocarbonetos (HC) que combinados geram ozônio em baixa altitude. É um gás irritante das vias respiratórias. O Brasil tem um programa rigoroso de controle, o Proconve. A partir de 2025, exigirá cortes severos desses subprodutos da combustão para gasolina e etanol.

Alguns afirmam que até 2030 não haverá tecnologia para o etanol atender ao Proconve e preconizam o abandono gradual deste combustível. Entretanto, existem meios conhecidos de limitar NOx e HC, na gasolina e no etanol, a preço razoável. Quem tem engenharia mais concentrada no exterior parece mostrar menos interesse em desenvolver motores para o Brasil.

Há quem defenda transição mais acelerada para carros elétricos a bateria. O motor a etanol seria, então, um estorvo. Mas esquecem do balanço de CO2 em que nosso combustível vegetal é altamente competitivo, a preço menor e sem mudar infraestrutura.

ALTA RODA


DEPOIS do “nada contra” do governo francês (sem poder de veto, mas poderia atrapalhar) e apenas seis semanas de negociações, PSA e FCA assinaram o memorando de fusão para criar o quarto maior conglomerado de marcas do mundo, atrás de dois grupos, VW e Toyota, e da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi. O valor de mercado em bolsas (US$ 46 bilhões) supera o da Ford. Toyota é a maior em valor.

FORD também entrou na onda de anunciar número de lançamentos e “ações de produto” que são apenas versões especiais. Além do Mustang Black Shadow apresentado agora (R$ 328.900), contabiliza outros oito em 2020. Confirmado é o SUV médio Territory; há chance para estreias do Escape híbrido e Ranger Raptor. As demais são iniciativas de menor impacto.

NADA MENOS de 20 modelos e versões despediram-se do mercado brasileiro ao longo de 2019. Outros cinco permanecem na “UTI” e serão descontinuados em breve. Por outro lado, o ano que termina foi marcado por mais de 20 lançamentos de veículos inteiramente novos entre nacionais e importados de várias origens. Uma das maiores safras de inéditos de todos os tempos.

KIA CERATO deu um salto em estilo, sem perder ótima relação preço-benefício. Novo motor de 2 litros flex (167 cv/etanol), câmbio automático de seis marchas e quatro modos de controle, do Sport ao Smart (grava o modo de dirigir prevalecente do motorista), garantem agilidade surpreendente em qualquer condição. Central multimídia com tela de 8 polegadas é das mais fáceis de operar.

TECNOLOGIA acabará com as fichas de perfil de seguro e permitirá acompanhar a utilização real do veículo para avaliar todos os riscos que precificam a apólice. Além disso, segundo Amit Louzon, CEO da Ituran, empresa especializada em rastreamento, novos algoritmos conseguem reduzir de 55 para 26 minutos o tempo de localização de carros furtados ou roubados. ____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Comentários

  • Denis

    Excelenteartigo! Concordo com o Fernando de que deveríamos olhar o etanol com maior atenção e desenvolver mais este combustível como uma forma importante de transição até que o veículo elétrico evolua e represente custos de investimento semelhante ao veículo à combustão.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência