Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Zeca Chaves |

Ver todas as opiniões
Zeca Chaves

23/11/2020

Marcas querem provar que carro elétrico é sinônimo de esportividade

Será que fabricantes focados no prazer de dirigir, como Porsche e BMW, vão conseguir aderir à mobilidade elétrica sem perder sua alma?


O Taycan nasceu para ser um Porsche 911 que pode ser ligado na tomada

Se você perguntasse no fim do século 19 qual é o carro mais rápido do mundo, ficaria surpreso em saber que era um elétrico. Em 1899, o francês La Jamais Contente foi o primeiro automóvel a quebrar a barreira dos 100 km/h (atingiu 105,88 km/h). A vida é irônica, pois mais de 100 anos depois os veículos elétricos tornaram-se o centro de uma grande polêmica: hoje eles são considerados máquinas sem graça, entediantes e distantes do conceito de direção esportiva, segundo boa parte dos apaixonados por carro.


Este foi o automóvel mais rápido do mundo no século 19 e era elétrico

Então como será o futuro na era da mobilidade elétrica para marcas que construíram sua reputação sobre a ideia de esportividade e prazer de dirigir? Afinal, o discurso de apoio ao veículo elétrico sempre foi baseado na racionalidade: uso urbano, curtas distâncias, locais com boa estrutura de recarga. Como fica quando o foco desse automóvel passa a ser exclusivamente emocional?

Empresas como Porsche, BMW, Audi e Aston Martin já caíram de cabeça nesse desafio. O exemplo mais importante é o Taycan, idealizado para ser um Porsche 911 ligado na tomada. A rigor, ele é único na sua categoria. Não, o Tesla S não é seu rival direto porque são propostas diferentes. No Tesla, o alto desempenho é consequência do projeto; no Taycan, é o ponto de partida.

O futuro da Porsche em jogo



O êxito do Taycan será decisivo para o futuro da Porsche. Se der errado, ele pode fechar as portas para todas os fabricantes que vendem algum nível de esportividade. Como a Europa (maior mercado dessas marcas) se prepara para banir o motor a combustão entre 2030 e 2040, a falta de aceitação de esportivos elétricos poderia condenar esse nicho de mercado.

A Porsche se esforçou bastante para mostrar que sua essência está toda lá. O cupê 100% elétrico tem desempenho para deixar até piloto de Fórmula 1 sem ar na versão mais nervosa. Seus dois motores com potência combinada de até 761 cv podem levá-lo de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos, mesmo pesando 2.295 kg.

Os primeiros sinais indicam que a aposta deu certo. A previsão de produção mundial do Taycan no primeiro ano era de 20.000 unidades, mas os pedidos foram tantos que já passou para 40.000. Em plena pandemia, ele foi o Porsche mais vendido da Europa, à frente até dos SUVs Macan e Cayenne.

No Brasil, as coisas também vão bem: o número de interessados foi tão grande que é suficiente para dar conta da produção destinada ao nosso mercado nos próximos 12 meses. É surpreendente para um modelo que custa de R$ 589.000 a R$ 979.000.

Boa notícia para todos



A BMW deveria ficar feliz com a notícia. Entre as três alemãs premium, é a que tem a imagem mais ligada ao prazer ao volante. Seu teste de fogo começa no fim de 2021, quando estreia o primeiro de uma nova família de carros que nasceram 100% elétricos, o iX.


O BMW iX é o primeiro de uma nova família que nasce 100% elétrica

Trata-se de um SUV com porte de X5, mas que é rápido, muito rápido. Seus dois motores com 500 cv podem levar suas 2,5 toneladas (estimadas) de 0 a 100 km/h em apenas 5 segundos. Atenção à enorme grade frontal: ela não é funcional (é toda fechada), mas está lá apenas para se parecer com a do novo M3, o ícone esportivo da BMW.

Aston Martin e Audi também entraram na dança. O primeiro veículo 100% elétrico da Aston atende pelo nome de Rapide E, depois de trocar o tradicional V12 6.0 de 552 cv por um conjunto elétrico de 612 cv. Em 2021, estreia o Audi e-tron GT, que usará a plataforma do Taycan e terá versões de até 700 cv.


O Aston Martin Rapide E trocou o V12 tradicional por dois motores elétricos traseiros

Outros mais virão com o tempo, porém a dúvida é a mesma para todos: eles conseguem oferecer o prazer e a emoção de um legítimo esportivo movido por um empolgante motor a gasolina?

Se julgarmos pelos números, não há dúvida. Eles entregam o mesmo nível de potência, muito mais torque e tempos de aceleração que não deixam dúvidas que podem rivalizar e até superar seus pares viciados em petróleo.

Na dirigibilidade, também não há controvérsia. É um comportamento diferente ao volante, porém o nível de adrenalina sobe na mesma proporção em que desce o acelerador. O piloto Rubinho Barrichello chegou a comparar seu teste no Taycan com a experiência nos tempos de Fórmula 1. Acelerações brutais, retomadas imediatas, respostas rápidas a qualquer comando.

Mas algumas coisas ainda estão faltando. A principal é o ronco explosivo dos cilindros que inebria mesmo quem está do lado de fora, apenas vendo encantado a passagem de um monstro gritando alto pela rua. Isso é parte fundamental da magia de acelerar um esportivo, assim como sentir a vibração do motor e do escapamento ressoando dentro da cabine, sendo retransmitida para nosso corpo pelo banco e volante.

Em um elétrico também fazem falta o freio motor (o sistema de freio regenerativo até tenta simulá-lo) e a possibilidade de reduzir as marchas em uma condução mais agressiva – apesar que, na prática, a maioria dos motoristas deixa o trabalho para o câmbio automático, que hoje equipa todos os esportivos.

Até Ferrari vai entrar na onda



Entre prós e contras, precisamos dar tempo para a nova safra de elétricos mostrar nos próximos anos se é capaz de rivalizar com a antiga tecnologia. Antes que alguém diga que um esportivo elétrico é uma heresia, é bom lembrar que esse movimento é tão irreversível que até a Ferrari vai embarcar nessa.

Recentemente vazou um registro de patente revelando que a empresa planeja um supercarro de dois lugares e quatro motores elétricos (um em cada roda) a partir de 2025. Até o próprio diretor comercial, Enrico Galliera, já reconheceu que, assim que a tecnologia de baterias estiver mais avançada, a Ferrari produzirá um elétrico digno da reputação da marca.

Assim, tudo indica que a Porsche está à frente de uma nova tendência. O que é realmente irônico, já que o primeiro carro produzido pelo fundador Ferdinand Porsche era um modelo elétrico, o P1, no distante ano de 1898.


E você, o que acha? Deixe abaixo seus comentários desta coluna ou envie sugestões para as próximas: zeca.chaves@gmail.com; ou visite minha página no LinkedIn.

Consultor do mercado automobilístico e jornalista especializado na área há 26 anos, Zeca Chaves é colunista do AUTOentusiastas e do portal Automotive Business; foi editor do caderno Veículos da Folha de S.Paulo e trabalhou por 19 anos na revista Quatro Rodas, onde foi redator-chefe.

Comentários

  • Denis

    Aobservação do "ronco explosivo" e "vibração do motor" foram perfeitas, falta aos elétricos. Acredito que os verdadeiros entusiastas dos veículos esportivos não estão nada empolgados com a moda.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência