Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Paulo Braga |

Ver todas as opiniões
Paulo Braga

17/06/2010

Montadoras e autopeças investirão R$ 40,89 bi no Brasil até 2015

Será a terceira grande onda de investimentos na expansão do setor. A primeira aconteceu a partir dos anos 50, para a instalação da indústria automobilística no País. A segunda trouxe US$ 47 bilhões entre 1994 e 2009, incluindo autopeças.

Será a terceira grande onda de investimentos na expansão do setor. A primeira aconteceu a partir dos anos 50, para a instalação da indústria automobilística no País. A segunda trouxe US$ 47 bilhões entre 1994 e 2009, incluindo autopeças.

Os fabricantes de veículos e as empresas de autopeças devem investir nada menos do que R$ 40,89 bilhões no setor automotivo brasileiro entre 2010 e 2015, com o objetivo de expandir o parque industrial, desenvolver produtos e tecnologias e, ainda, capacitar pessoal. As montadoras manifestaram a intenção de aplicar R$ 30,09 bilhões no Brasil nesse período, o equivalente a US$ 16,72 bilhões, como apurou Automotive Business. A taxa cambial de referência é US$ 1 = R$ 1,8. Nessa estimativa consideramos que a Fiat anunciará investimentos de mais R$ 5 bilhões até 2015 e que a Hyundai Caoa ainda aplicará R$ 600 milhões em Anápolis, GO.

Para acompanhar o ritmo das aplicações das montadoras, o setor autopeças deve investir ao ritmo de pelo menos US$ 1 bilhão por ano, o que representará R$ 10,8 bilhões até 2015. Vale lembrar que em 2008 o setor aplicou US$ 1,5 bilhão e em 2009 cerca de US$ 900 milhões.

Na posse como presidente da Anfavea, a entidade dos fabricantes de veículos, Cledorvino Belini anunciou que as montadoras filiadas vão aplicar US$ 11,2 bilhões no setor automotivo de 2010 a 2012 – um aumento de 38% sobre os US$ 8,1 bilhões aplicados no triênio anterior (2007-2009).

A Anfavea registrou investimentos de US$ 47 bilhões na indústria automobilística entre 1994 e 2009, na segunda grande onda de expansão do setor. O valor inclui autopeças.

AUTOPEÇAS
R$ 10,8 bilhões até 2015

Em 2008 o setor aplicou US$ 1,5 bilhão e em 2009 era de US$ 900 milhões. A demanda para acompanhar as montadoras pode exigir pelo menos US$ 1 bilhão por ano.

CHERY
Planeja construir uma fábrica em Salto, SP.

FIAT
R$ 6,8 bilhões até 2015

A Fiat aplica R$ 6,2 bilhões no País entre 2008 e 2010, dos quais R$ 1 bilhão está sendo destinado à retomada da fábrica da CNH em Sorocaba, SP, para colheitadeiras de alta tecnologia. Esse valor inclui também a compra e adaptação da fábrica de motores FPT (ex- Tritec) em Campo Largo, PR, que iniciou recentemente a produção dos novos motores EtorQ. Há ainda R$ 1,8 bilhão da verba para 2010. O próximo ciclo de investimentos ainda não está definido. A fábrica de Betim tem capacidade próxima de 900 mil veículos/ano.

FORD
R$ 4,97 bilhões entre 2011 e 2015

A empresa aplicará R$ 4 bilhões (US$ 2,4 bilhões) entre 2011 e 2015, em novos produtos, modernização da planta de São Bernardo do Campo e expansão de Camaçari para 300 mil veículos/ano. Nesse total não estão incluídos os R$ 600 milhões que estão sendo aplicados na unidade de Taubaté, SP, para reestruturação das instalações e produção da família de motores Sigma. A Ford já havia anunciado R$ 370 milhões para as operações de caminhões, em São Bernardo do Campo, SP.

GM
R$ 3,00 bilhões de 2010 a 2012
A GM investe uma média de R$ 1 bilhão por ano. Dia 31 de maio ela empenhou R$ 700 milhões para uma nova família de veículos Chevrolet em São Caetano do Sul e toca, ainda, a expansão em Gravataí; o restante do programa Agile; a modernização da fábrica de São Caetano do Sul e a ampliação de Mogi das Cruzes, além do desenvolvimento de produtos para São José dos Campos.

HONDA
R$ 360 milhões
A Honda anunciou mais US$ 200 milhões em investimentos na fábrica de Sumaré, no interior do Estado de São Paulo, onde já havia aplicado US$ 800 milhões. A capacidade da montadora é de 650 automóveis/dia. O mix de produção é de 40% de Fit e o restante está dividido entre Civic e City.

HYUNDAI
R$ 1,68 bilhão
A fábrica de Anápolis, GO, do grupo Caoa, produz comerciais leves (H100) e inicia a produção do Tucson depois de anunciar investimento de R$ 1,2 bilhão (metade pode estar ainda disponível). A matriz coreana da marca retoma os estudos para implantar fábrica de automóveis em Piracicaba, SP, com investimento da ordem de US$ 600 milhões para fábrica com capacidade de 100 mil veículos/ano.

KIA MOTORS
A Kia Motors ainda não desistiu de ter fábrica no Brasil. Se isso acontecer, começará com uma linha de montagem em Salto, SP. Os candidatos a nacionalização seriam o Soul e o Cerato. O motor flexível já está pronto.

MAN
R$ 1 bilhão de 2010 a 2015
O CEO da MAN, Georg Pachta-Reyhofen, anunciou em 15 de abril, durante visita à fábrica de Resende, RJ, investimento de R$ 1 bilhão no Brasil de 2010 a 2015. Ele confirmou também que ArvinMeritor, Maxion e Suspensys irão investir entre R$ 85 milhões e R$ 100 milhões em fábricas na região, cujas operações começam em 2011.

MERCEDES-BENZ
R$ 1,2 bilhão

A Mercedes-Benz anunciou em março de 2010 investimento de R$ 1,2 bilhão, dos quais R$ 300 milhões com recursos próprios e o restante obtido junto ao BNDES, para aumentar a capacidade produtiva de sua planta de São Bernardo do Campo, SP, de 65 mil para 75 mil unidades/ano e também para produzir até 2012 novo modelo de caminhão pesado na sua planta de Juiz de Fora, MG, após o encerramento de produção do carro Classe C.

MITSUBISHI
R$ 800 milhões

A Mitsubishi aplicará R$ 800 milhões em novos produtos (Pajero Dakar e Lancer) e ampliação da unidade de Catalão, em Goiás. O Dakar será o primeiro a chegar, no primeiro semestre de 2011. O Lancer virá em 2012.

PEUGEOT CITROËN
R$ 1,4 bilhão até 2012

A PSA Peugeot Citroën investirá R$ 1,4 bilhão até 2012, como anunciou em março de 2010 o presidente mundial da montadora, Philippe Varin, ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, no Centro de Produção do Grupo PSA no País. Boa parte dos recursos deve ser empregada no desenvolvimento de projetos de veículos das marcas Peugeot e Citroën, além de novos motores. A empresa também quer investir no aumento da capacidade de produção do Centro de Produção de Porto Real.

RENAULT
R$ 1 bilhão de 2010 a 2012
Jean-Michel Jalinier, presidente, anunciou em dezembro de 2009 que a Renault pretende ser um dos três maiores fabricantes de automóveis do País e investirá R$ 1 bilhão pelos próximos três anos em desenvolvimento de tecnologia e novos produtos.

TOYOTA
R$ 1,26 bilhão

A Toyota abriu em agosto de 2009 o canteiro de obras para a construção de sua fábrica de automóveis em Sorocaba, SP, onde produzirá até 150 mil veículos por ano a partir de 2011 com investimento de US$ 700 milhões.

VOLKSWAGEN
R$ 6,2 bilhões até 2014

Investirá R$ 6,2 bilhões até 2014, mas é preciso descontar um valor expressivo correspondente ao patrocínio da Copa do Mundo. 40% do restante serão destinados para elevar a capacidade de produção a um milhão de carros por ano até 2014 e 60% para novos produtos. Metade dos recursos virá da Alemanha. É o maior aporte da empresa no País. De 1997 a 2002 a empresa havia investido R$ 6 bilhões, parte dos quais utilizados na construção da fábrica no Paraná. O que havia sobrado dos R$ 3,2 bilhões previstos para o período 2007-2011 terminou em 2009.

VOLVO
R$ 415 milhões em 2010 e 2011

A Volvo do Brasil anunciou investimento de US$ 230 milhões no Brasil entre 2010 e 2011 para atualização da linha de caminhões e ônibus. A empresa já havia aplicado US$ 30 milhões em 2009.


***
Artigo publicado na revista Automotive Business nº 3, que circulou em junho de 2010.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

| 16/07/2010

O método

Na década de 1950 Joseph Wolpe, psiquiatra sul-africano, desenvolveu um método bem sucedido para tratamento de fobias ao combinar técnicas de relaxamento com situações imaginárias de medo experimentadas pelos pacientes. Por exemplo: se o paciente tinha medo de avião, Wolpe iniciava um trabalho de relaxamento profundo. Relaxado, o paciente era convidado a imaginar-se num aeroporto, olhando aviões.

Suportando a idéia, o paciente ia para a fase seguinte, imaginando-se andando em direção ao avião. Depois vendo uma escada em sua frente. Em seguida, imaginava-se subindo a escada. Depois olhando dentro do avião. Em seguida entrando e assim sucessivamente, até chegar à situação imaginária de pânico em que o avião enfrentava turbulências. Segundo o doutor Wolpe, o relaxamento e a tensão se anulavam, acabando com a fobia. O método recebeu o nome de "inibição recíproca" e também "dessensibilização sistemática."

| 06/07/2010

Logística Lean para ‘driblar' restrições da infraestrutura - Por José Roberto Ferro*

O crescimento econômico acelerado dos últimos meses vem expondo cada vez mais as carências crônicas da infraestrutura nacional. Por exemplo, os problemas de logística, gerados pelas debilidades das rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, malhas viárias urbanas etc. e que causam congestionamentos em cidades, estradas, portos e aeroportos. Há também uma burocracia excessiva com a exigência de documentações desnecessárias. E nossos fretes para exportação e importação são muito mais caros que os padrões internacionais.

Essas ineficiências causam altos custos, além de baixa produtividade e perdas de competitividade para a sociedade e para as empresas. E podem dificultar a continuidade das altas taxas de crescimento.

| 18/06/2010

Fábrica de líderes

Em minhas andanças pelos EUA conheci um conceito interessante: a "fábrica de líderes". Meu interlocutor contou que algumas organizações investigavam junto às escolas, clubes e outras entidades, os jovens com potencial para serem líderes. Identificados, eles eram convidados a participar de um processo educacional diferenciado, uma espécie de "fábrica de líderes", de onde sairiam os homens e mulheres que dirigiriam as grandes organizações dos EUA. Achei o máximo.

Talvez haja alguma iniciativa parecida no Brasil, mas não consegui lembrar.

| 14/06/2010

A Escolha de Sofia - por Tom Coelho*

“Você faz suas escolhas
e suas escolhas fazem você.”
(Steve Beckman)



No mundo corporativo de hoje os profissionais são constantemente colocados à prova mediante dilemas que lhes são apresentados. Por exemplo, o que fazer quando a empresa exige tanto do executivo que ele tem que escolher entre a vida pessoal e a profissional?

AB Inteligência