ANÁLISE

Mercado

Novo regime automotivo. Boas intenções, mas com bons resultados?


A indústria ganha tempo para se reinventar e atingir capacidade de competir superior à atual





Stephan Keese é sócio-diretor da Roland Berger

Nos últimos anos ocorreu um boom na indústria automotiva brasileira com o qual muitos sonharam por décadas, mas que poucos realmente acreditaram que ocorreria. Apenas entre 2008 e 2011, o crescimento do mercado chegou a incríveis 25%, de 2,7 milhões para 3,5 milhões de veículos. Mas, infelizmente, a produção local não foi capaz de avançar na mesma velocidade.

O aumento dos custos de produção, combinado ao fortalecimento do real, tornou as exportações para fora do Mercosul virtualmente impossíveis ou, ao menos, muito pouco lucrativas. Enquanto a produção local para exportação diminuiu, montadoras globais começaram a aproveitar os baixos custos de produção de algumas regiões para satisfazer o grande apetite dos consumidores brasileiros por novos veículos. Ao final, a evolução da produção local não chegou a alcançar nem metade do aumento das vendas, com uma média de 10% entre 2008 e 2010, de 2,9 milhões para 3,2 milhões de veículos.

Quando as montadoras chinesas e coreanas, suportadas por seus governos, começaram a aumentar o foco no Brasil, o novo regime automotivo foi implementado para fortalecer a indústria automotiva brasileira e impedir a crescente quantidade de veículos importados, que em 2011 corresponderam a 24% do volume de emplacamentos no País.

O fortalecimento da indústria nacional em relação aos demais países é a ideia-chave por trás do capitalismo e de economias modernas. Como exemplo, a indústria automotiva coreana baseou-se em um esforço simultâneo de um seleto grupo de empresas locais e do governo. Esse arranjo foi claramente suportado por uma agenda conjunta e um plano estratégico. Acompanhada de pesadas barreiras comerciais para proteger as então frágeis empresas locais, essa cooperação focou em investimentos tecnológicos de longo prazo para fortalecer a capacidade local e elevar a competitividade global da recémnascida indústria.

A situação atual no Brasil é muito diferente, já que a indústria é madura e as empresas, globais. E, com certeza, nenhuma das montadoras presentes no País necessita de proteção para desenvolver novas tecnologias automotivas. Estas companhias apenas têm pouco interesse ou incentivo para oferecer tecnologias e equipamentos de ponta nos veículos brasileiros a preços competitivos. Por que não? Bom, a existência de barreiras comerciais e de altas taxas de importação auxiliando a manter afastadas modernas e bem equipadas plataformas globais vêm à mente. Esta situação soa familiar?

Com o novo regime automotivo, o governo brasileiro está retomando um modelo ultrapassado que, por si só, pode ser prejudicial ou até mesmo fatal para sua indústria: protecionismo. Para provar meu ponto, vamos analisar os principais objetivos e critérios do novo decreto do regime automotivo.
Com certeza, um dos objetivos é fortalecer a indústria local e incentivar o consumidor a comprar veículos brasileiros. Para isto, o governo elevou o IPI em 30 pontos porcentuais e concedeu uma redução para veículos que sejam produzidos atendendo cinco diferentes critérios – cuja maioria força as montadoras a atingir nível de conteúdo local muito alto, presumidamente 50-55% medidos sobre o total de despesas com materiais.

ESCALA
Este fator vai em direção completamente oposta às práticas atuais da indústria automotiva, que busca fornecedores globais para alavancar vantagens de custos nacionais e, mais importante, ampliar as economias de escala. O Brasil é um país caro para produzir, considerando o crescente custo da mão de obra, o alto custo de matéria-prima, de energia e logística e um complexo e caro sistema tributário, além de uma pesada burocracia. A única consequência lógica de um elevado nível de conteúdo local em um país com altos custos é o progresso do preço dos componentes e, ao final, avanço do custo do produto final. Com o aumento do preço dos veículos, a indústria automotiva deverá repensar seu sonho de vender

5 milhões ou 6 milhões de unidades por ano.
O segundo objetivo das novas medidas é o estímulo a investimentos. Para incentivar as montadoras a produzir localmente, pelo novo decreto, o governo demanda que dez de 12 processos sejam realizados localmente – o que implica que praticamente todo o veículo precisa ser fabricado no Brasil, incluindo a estamparia, a soldagem e a montagem do próprio veículo, do motor, do chassi e até mesmo da transmissão. Estas demandas até poderão ser facilmente atingidas pelas líderes do mercado, em virtude dos significativos volumes de produção, mas para uma nova montadora é praticamente impossível desenvolver um plano de negócios que suporte o investimento em uma
nova fábrica.

Vamos assumir que uma montadora premium muito conhecida esteja interessada em investir no País com a produção, em longo prazo, de 50 mil unidades por ano. Para este volume, não é economicamente viável localizar nem o motor, nem a (complexa) transmissão, nem a estamparia. A localização de todos estes processos tornaria os veículos muito mais caros do que os atuais importados, mesmo considerando o aumento do IPI. Consequentemente, este critério impede investimentos adicionais que não apenas trariam tecnologias de ponta ao Brasil, mas também criariam empregos adicionais.
Pelo mesmo raciocínio, até montadoras muito maiores enfrentarão problemas para atender ao requisito de localizar uma parte significativa de seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, uma vez que precisam olhar para suas estratégias de P&D e de organização por uma perspectiva global, não podendo considerar preferências locais de cada país.




EMPREGO
Um objetivo final do novo decreto automotivo é proteger empregos locais. Considerando este critério e os custos reais de produção no País, é incerto como isto poderá ser atingido – não é segredo para ninguém que a maioria das montadoras e fornecedores presentes no Brasil sofre de sérios problemas de rentabilidade, decorrentes de uma combinação do aumento dos custo de mão de obra e de baixos índices de produtividade e automação. A principal resposta para que a indústria possa compensar o avanço nos custos causado pelo novo decreto automotivo será automação, o que sempre custa empregos.
A melhor forma de assegurar o nível de emprego na indústria automotiva no longo prazo é assegurar que o crescimento da produção nacional seja motivado por produtos competitivos tanto no mercado local quanto no global. E, para isto, uma economia não precisa de protecionismo, mas sim de uma estratégia.

COMPETITIVIDADE
É exatamente este planejamento que precisa ser desenvolvido agora para que seja possível aproveitar os próximos cinco anos do novo regime automotivo, reduzir os custos de produção da indústria automotiva e elevar os níveis de competência e tecnologia das empresas nacionais e internacionais presentes no Brasil. Ele precisa ser criado em conjunto entre o governo, a indústria e as associações de classe e terá de compatibilizar vantagens e desvantagens entre todas as partes. Pela redução do custo da mão de obra, do suporte e do incentivo a novos investimentos e automação e do desenvolvimento de importantes polos tecnológicos, o Brasil ainda poderá tirar um grande proveito de sua importante história de produção automotiva.

Em resumo, o novo regime automotivo não é de todo mau. Ele dá à indústria o tempo necessário para que ela se reinvente e possa atingir um nível de competitividade global superior ao atual. No entanto, se esta oportunidade não for aproveitada e suportada por uma estratégia conjunta, este tempo terá sido perdido e o Brasil continuará sendo o que é hoje – um enorme mercado interno desconectado do resto do mundo. Vamos impedir que isto ocorra e trabalhar juntos para tornar o País um importante player no mercado automotivo mundial.


Comentários: 4
 

Alexandre Falcon
30/05/2012 | 09h33
Caro Keese Alinho-me contigo permita-me teçer alguns comentários. Novamente a intenção do governo brasileiro de forçar desenvolver a capacidade brasileira de inovar e desenvolver produtos automotivos via incentivos tributários está fadada a fracassar. Não é a primeira vez que isto é tentado. Nos idos de 1980, também havia incentivos tributários para quem instalasse centros de pesquisa automotivas no Brasil. Ocorre que o Brasil não possui nenhuma montadora brasileira que force o desenvolvimento local de verdade, isto é, com parcerias com universidades, centros de pesquisas e testes (IAV, FEV, etc), serviços de engenharia, etc., diferentemente do que ocorreu na Coréia - Hyundai, China - Chery. Apesar que a China está tendo sucesso em incorporar a tecnologia também graças a sua política industrial que obrigava aos estrangeiros a uma parceria forçada com sua industria nacional. (segue)

Alexandre Falcon
30/05/2012 | 09h38
(continua) 2/3 Parece-me que no Brasil todas as políticas de desenvolvimento nascem no Ministério da Fazenda, que utilizam suas ferramentas para sua implementação. Entretanto, criar a inteligência na engenharia automotiva não é possível apenas com instrumentos tributários. A MP 523, exceto por uma inocência absurda do governo, foi escrita a quatro mãos, isto é, com as montadoras já instaladas. Basta olhar os quadros que você apresenta, que fica claro que as old- comers não têm qualquer dificuladades de atender os requisitos. Pergunto: Estas montadoras fazem desenvolvimento local com sua pequena engenharia. Não! Estes engenheiros são necessários para interpretar os projetos desenvolvidos na matriz e apoiar sua manufatura local.

Alexandre Falcon
30/05/2012 | 09h39
continua 3/3 A lei é tão subjetiva, que basta apresentar aos técnicos do governo os equipamentos utilizados no controle de qualidade ( Motorpruefstand, Rollenpruefstand*, laboratórios, etc) como de desenvolvimento que poderão usufruir do bonus tributário. Alinho-me que além de perdermos a competitividade também não lograremos a ter a inteligência neste ramo de atividade. Falta estratégia e política industrial. Abraço e parabéns * Imagino que você conheça melhor as palavras técnicas em alemão

leonardo
08/09/2012 | 10h36
Boa noite, Gostei da abordagem desse tema, estou fazendo a minha monografia baseada na implicação da produção automobilística internacional no mercado local. Estou adicionando seu texto aos meus resumos. Obrigado, Leonardo Jordão, Administrador.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: