ANÁLISE

RH E VIDA CORPORATIVA

Surfando no mercado de trabalho


Caiu? Suba na prancha e espere a próxima onda


O mercado está meio esquisito. Num compasso de espera. Muita gente mandando CVs, poucos clientes contratando. Não houveram demissões como aconteceu na crise de 2008, pois a retomada econômica forçou as empresas a contratarem quase a totalidade dos que foram demitidos. O custo das dispensas seguidas de recontratações pesou no orçamento. Soma-se a isso a carência de bons profissionais. Ninguém quer perder seus talentos para a concorrência.

Acordos inéditos foram feitos para redução da jornada de trabalho, com redução proporcional de salário, mostrando que sindicatos e empresas estão alinhados para enfrentar essa entressafra.

A central de notícias conhecida como rádio peão formula diversas teorias para o momento econômico. Com sucursais em diversas empresas do país, os rumores fluem livremente, criando insegurança a todos que dependem de seus empregos para viver.

Recebo muitos telefonemas de profissionais que querem triangular a informação, buscar um rumo, saber se é hora de buscar uma nova colocação, disponibilizar-se, ou aguardar o desenrolar dos acontecimentos.

Não existe seguro para ninguém. Nenhum emprego é para sempre. Quantas vezes ouvi, nos meus 51 anos, noticias de que a empresa X ou Y iria fechar. Outras, sair do país. Vimos na crise passada montadoras beijarem a lona e rapidamente se reerguerem. O mercado é dinâmico e os empregos dele originários também.

No surf, não é possível controlar as ondas. As condições meteorológicas, a geografia e outros fatores influem na arrebentação. Aos surfistas, cabe surfar, dominar a técnica, aperfeiçoa-la. Caiu? Suba na prancha e espere a próxima onda.

Os rumores da rádio peão, certos ou errados, só amplificam os medos daqueles que gastam mais tempo tentando influir nas ondas quando deviam estar preocupados em surfar.

Um dos fatores predominantes do stress é a falta de controle. Uma regra básica é preocupar-se apenas com os fatores que você controla. Os demais não são influenciados por você e por isso devem ser deixados de lado.

Quando as interferências externas causam desconforto, é hora de parar, refletir e, na jornada do autoconhecimento, buscar o equilíbrio, a paz e a harmonia que só você pode trazer à sua vida.

Comentários: 1
 

Edgard Gellert
05/07/2012 | 15h33
Sábias palavras do colega Ivan Witt. Apenas gostaria de complementar esta matéria com mais uma regra básica, aquela que norteou toda minha carreira profissional até o presente momento : comprometa-se e dê sempre o melhor de sí em sua atividade de trabalho. Estas atitudes serão sempre reconhecidas pelos seus superiores e com certeza, terá peso relevante ao seu favor quando da necessidade de tamadas de decisões sobre quem fica e quem vai. Edgard Gellert

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: