ANÁLISE

Mercado

AWD (tração integral) patina no Brasil


Transmissão nas quatro rodas para carros e crossovers cresce muito pouco no País


As transmissões AWD, sigla em inglês para All Wheel Drive (tração nas quatro rodas) tem mostrado pouca evolução no País, sendo mais aplicadas em carros e crossovers de perfil urbano. Dados mais recentes do mercado indicam que apenas 1% dos automóveis e comerciais leves emplacados no Brasil tem transmissão AWD, ao contrário das transmissões 4x4 usadas em utilitários esportivos e picapes com perfil fora-de-estrada, que têm mostrado evolução e aumento nas ofertas dos fabricantes.

Dados do fabricante de sistemas de tração GKN mostram que em 2011 seu faturamento global de componentes para sistemas AWD aumentou 19%, enquanto as juntas homocinéticas para tração dianteira somente aumentou 7% no mesmo período, evidenciando crescimento global no fornecimento de tração integral.

Abaixo estão as ofertas de veículos AWD entre as dez maiores marcas em vendas no Brasil em 2012:

Fiat: não oferece nenhum modelo no Brasil, apesar do Dodge Journey, que originou o Freemont produzido no México, ter uma versão AWD na América do Norte.
Volkswagen: oferece AWD no Passat CC, Tiguan 4Motion e Touareg.
Chevrolet: opcional no Captiva V6.
Ford: opcional no Edge e Fusion V6.
Honda: oferece na versão top do CR-V EXL.
Renault, Nissan, Peugeot, Citroën e Toyota não oferecem

As versões AWD têm se popularizado em países de clima frio, por proporcionar melhor tração do veículo em condições adversas de piso, como neve, areia e lama.

O preço do sistema no Brasil limitou a sua expansão e podemos citar como exemplo a Ford, que inicialmente introduziu as versões do Fusion V6 e o Edge com tração AWD. Porém, de modo a tornar esses modelos mais competitivos, lançou no ano passado versões mais baratas FWD, com tração dianteira. Com isso, hoje, o Fusion V6 FWD custa R$ 9 mil a menos que a versão AWD, enquanto que o Edge FWD custa R$ 19 mil a menos do que o AWD.

Outro crossover que oferece AWD e FWD é o Mitsubishi ASX, sendo que a versão AWD custa R$ 11 mil a mais do que a 4X2 automática.

Como parâmetro global, nos Estados Unidos o Dodge Journey tem a opção AWD custando US$ 4 mil a mais do que a versão FWD.

Hoje no mercado brasileiro o veículo mais em conta com tração integral é o Suzuki SX4, vendido a R$ 62 mil, que emplacou 1.083 unidades de janeiro a agosto deste ano.

As fábricas brasileiras ainda não produzem localmente veículos AWD devido à baixa demanda e um primeiro candidato seria o Mitsubishi ASX, que está em processo de ser nacionalizado na fábrica de Catalão (GO).

Comentários: 3
 

ARYVELTO MARTINS CYPRIANO
29/08/2014 | 22h08
o meu primeiro carro awd foi um airtrek, é um carro fantástico em segurança, economia, conforto e desempenho. Deixei multa gente na lama de queixo caido, pois nunca me fez passar vergonha. Agora estou com um volvo xc-60 3.0, que também é awd, até o momento estou gostando muito, más anda maito, tem que controlar o pé, más vale a pena por tudo que oferece. Eu sempre digo aos meus amigos, compre um awd e nunca mais você vai querer outro carro.

Anderson Staroski
11/12/2015 | 09h48
Tenho uma Mitsubishi Airtrek 2.4 2005 AWD. é um exelente carro, pois moro em uma cidade com péssimas estradas e morros, poém nunca me deixou na mão, e nem preocupado. Pode subir morro seco ou molhado, parar no meio do morro e arrancar sem problemas algum, o carro não patina.

Marcos
27/09/2016 | 15h20
Para vias urbanas boas, será que compensa deixar desativado o controle de tração? Digo em relação ao consumo. Tenho um fusion 3.0 v6 AWD... estou com essa dúvida, se alguem souber me dizer agradeço muito

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: