ANÁLISE

RH E VIDA CORPORATIVA

Mudança de atitude


Otimismo e senso de humor são essenciais na vida corporativa


Como consultor conduzi diversas dinâmicas para grupos de trabalho. Lembro-me de uma delas, em que simulávamos um ônibus. Cada participante recebia um roteiro de como deveria se comportar. Tinha o motorista, o cobrador, o passageiro chato, o risonho, e por aí vai. A dinâmica era filmada para que víssemos posteriormente a reação de cada um durante a interação dos personagens. Buscávamos demonstrar como cada um se comportava, defendendo seus objetivos e interagindo com os demais.

Tive o prazer de trabalhar com um grupo gerencial e outro de supervisores de produção. No grupo gerencial, o desconforto foi geral. Da compreensão da dinâmica à interpretação dos personagens, o nível de energia foi muito baixo. No grupo de supervisores de produção, eles ouviram a explicação, leram os roteiros e rapidamente se mobilizaram para “montar” o ônibus. Colocaram as cadeiras na mesma disposição de um coletivo, viraram a cadeira do cobrador, e incorporaram seus personagens sem demora. O motorista era um caso à parte. Fazia os ruídos do motor, da porta abrindo, dava bronca no povo, pedindo para que se apertassem um pouco. Os passageiros começaram a interpretar seus roteiros e tudo fluiu muito bem, num alto astral tremendo, muitas risadas.

Quando vi o filme, ficou óbvio para mim, que o segundo grupo abraçou a dinâmica, vivenciou-a sem nenhuma preocupação do que estariam os outros pensando. Viviam o agora. O impacto neles foi outro.

O grupo gerencial também tentou, mas sempre com aquela sensação de que estavam “pagando mico”, que tinham coisas mais importantes a fazer. Sempre me perguntei, por que nos altos escalões, existe essa preocupação exacerbada em ser sério. Parece que bom humor, alto astral, risadas são contrários à rotina executiva. Claro que ninguém vai ficar rindo de problemas sérios, e nesse nível existem muitos. Mas levar tudo a ferro e fogo vai drenando as forças de quem tem pela frente uma rotina pesada. Você é pago para resolver problemas, eu sei.

A imagem do executivo sério, altamente concentrado no que faz, com pleno domínio do seu tempo (leia-se dedicado totalmente ao trabalho), é maioria entre as organizações. Deve-se, para benefício próprio, e do grupo de trabalho, criar momentos descontraídos e felizes, onde o ego fique em segundo plano. Neles, tomamos contato com o lado direito do cérebro, nos sentimos cúmplices uns dos outros, o prazer flui, e a vida fica mais leve.

Outro dia, fazendo exercício pelo condomínio onde eu moro, cruzei com o caminhão de lixo. Estava no final da minha caminhada, suado, cansado, dando uma olhadinha nos batimentos cardíacos. Os lixeiros passaram correndo por mim, completamente secos, e foram retirando os sacos das lixeiras nas casas brincando uns com os outros. Um deles olhou para mim e me disse sorrindo: “Vamos lá queimar essa barriga! Olha só (apontando para a dele)! Zero de gordura.”

Me deram uma lição de vida corporativa. Não importa o grau de dificuldade no trabalho. Atitude positiva, otimismo e senso de humor, resolvem boa parte dos problemas. Cultive esses hábitos saudáveis e disponibilize-se para os demais. Você perceberá uma mudança significativa no seu dia-a-dia.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: