Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 10/05/2011 | 16h59

Máquinas para exportação ficam nos pátios

Argentina trava licenças automáticas e limita negócios.

Paulo Braga, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Braga, AB

A Argentina continua filtrando as importações de produtos brasileiros segundo suas conveniências, indicando que está cada vez mais distante o sonho de uma zona de livre comércio na região. Limitando a emissão de licenças automáticas para o ingresso de máquinas em seu território, o país vizinho tem procurado equacionar os problemas da balança comercial e, ao mesmo tempo, forçar investimentos para a produção local.

Um exemplo claro dessa realidade ocorre no segmento de máquinas agrícolas. A Anfavea estima que, em função de restrições alfandegárias, o País deixou de exportar à Argentina 1,7 mil tratores e 800 colheitadeiras (2,5 mil unidades) desde o início deste ano, justamente em momento de colheita intensiva. Em lugar de máquinas novas, de alta produtividade, a opção foi realizar o trabalho com equipamentos antigos.

O problema não fica tão evidente em razão da nova sistemática comercial nas exportações, que evita a formação de estoques na fronteira. Como a distância entre as fábricas brasileiras e o país vizinho é pequena, os embarques são feitos 24 a 48 horas antes da entrega no destino final – com a emissão de licenças (agora não automáticas). Em vez de enormes estoques na fronteira, agora há pátios cheios próximo às fábricas.

Barreiras

Notícia publicada pelo Estadão na segunda-feira, dia 9, evidencia que o governo da presidente Cristina Kirchner aplica uma saraivada de medidas protecionistas que restringem ou atrasam a entrada de produtos brasileiros no mercado argentino. Segundo a consultoria portenha Abeceb, do total de exportações realizadas pelo Brasil para a Argentina, 23,9% são alvo de barreiras – quase um quarto do total das vendas.

De janeiro a abril, o Brasil acumula saldo positivo de US$ 1,33 bilhão com a Argentina. A previsão da consultoria Abeceb é que o superávit chegue a US$ 6,5 bilhões este ano.

Ainda segundo o jornal, fontes do governo admitem que “não adianta conversar com os argentinos”. O ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) esteve em Buenos Aires em fevereiro e voltou com o compromisso de que os produtos brasileiros seriam excluídos das barreiras.



Tags: Exportações, Argentina, máquinas agrícolas, tratores, colheitadeiras, licenças não automáticas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência