Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importados | 11/05/2011 | 23h13

QQ, mais barato do Brasil, esbanja equipamentos

Subcompacto chinês precisa de melhorias mecânicas.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Rodrigo Mora, especial para AB

Se 2009 e 2010 se desenharam apenas como um ensaio da chegada dos chineses ao Brasil – com as estreias de Tiggo, Face e Cielo, todos da Chery –, 2011 será de fato o ano que marcará a maior ofensiva desses asiáticos em nosso mercado. Um dos sinais vem da JAC Motors, que tem mexido com os preços dos concorrentes tradicionais. Outro fato é o desembarque do quarto representante da Chery por aqui, o QQ.

Não fosse seu preço de R$ 22.990, o hatch subcompacto seria apenas mais um lançamento. Ocorre que o QQ é, agora, o carro mais barato à venda no Brasil, desbancando até mesmo o Fiat Mille, há tempos detentor da marca (na prática, no entanto, o Mille é encontrado em algumas concessionárias por R$ 21.990, destronando assim o QQ, que não tem descontos).

O principal argumento do QQ é sua vasta lista de equipamentos. Trata-se de uma lavada sobre os rivais: acionamento interno para abertura do tanque de combustível e do porta-malas, ajuste de altura do banco do motorista, alarme, ar-condicionado, CD player com MP3 e entrada USB, direção hidráulica, limpador e desembaçador traseiro, painel digital, rack de teto, regulagem de altura do farol, travamento das portas à distância e fechamento automático dos vidros, trio elétrico, airbag duplo e ABS. Os principais concorrentes – Ford Ka, Chevrolet Celta, Renault Clio, Volkswagen Gol e o já citado Fiat Mille – muitas vezes não possuem tais equipamentos sequer como opcionais. E quando os têm, seus preços os tornam desinteressantes.

Impressões

Ainda distante quanto ao nível de acabamento dos rivais produzidos no Brasil, o Chery QQ apresenta descuidos tolos, como costuras do estofamento dos bancos tortas e borrachas de vedação expostas mesmo com as portas fechadas. Internamente, o carrinho tem acabamento espartano, mas não sofrível. O painel digital até lhe dá certo ar de modernidade. No rodar, o QQ tem desempenho coerente com sua proposta, graças ao 1.1 16V (só a gasolina) que gera 68 cv e 9,1 kgfm de torque. Os engates, não tão precisos mas suaves, também não devem cansar o motorista menos exigente.

O grande problema está na suspensão demasiadamente macia. Tão macia que chega a ser perigosa: nas curvas do Aterro do Flamengo (RJ), que são praticamente retas, o carro mais barato também se mostrou o carro mais instável do Brasil. A carroceria inclina muito, transmitindo total sensação de perigo aos ocupantes. Um amortecedor mais firme e uma nova calibragem resolveriam o problema. Mas algum consumidor trocará peças em um carro 0 km? Dificilmente...

As pretensões da Chery são ambiciosas. A marca chinesa acredita que venderá 25.000 unidades durante 2011, sendo que 12.000 unidades serão do QQ. Para atender a demanda, a empresa promete saltar das atuais 74 concessionárias para uma centena até o fim do ano.



Tags: Chery, QQ, Tiggo, Face, Cielo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência