Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 19/05/2011 | 20h02

Biodiesel: SG Biofuels traz pinhão manso híbrido ao Brasil

Produtividade é quatro vezes maior do que a da soja.

Eduardo Magossi, Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Eduardo Magossi, Agência Estado

A SG Biofuels, com sede na Califórnia, Estados Unidos, está expandindo suas operações para o Brasil para explorar o mercado de pinhão manso. A empresa desenvolve sementes híbridas de pinhão manso, oleaginosa utilizada hoje na produção de biodiesel e de combustíveis de aviação.

A companhia americana investiu US$ 9,4 milhões nos últimos quatro anos para desenvolver mais de 12 mil híbridos de pinhão manso, com alta produtividade. O presidente da SG Biofuels, Kirk Haney, disse que a SG também conseguiu “domesticar” o pinhão manso, obtendo um híbrido que possui produtividade constante e não alterna safras produtivas com outras de menor resultado.

Segundo o executivo, a produtividade desse híbrido é quatro vezes maior do que a da soja, com a vantagem de ser uma oleaginosa que não é usada para alimentação. A empresa deve começar os testes em várias partes do Brasil, para descobrir qual semente é adequada para cada clima. As sementes devem estar disponíveis em cerca de um ano.

Haney informou ainda que o representante chefe da subsidiária brasileira, a SG Biofuels do Brasil, será Fernando Reinach, especialista em bioenergia e membro do conselho de administração da Amyris, que também desenvolve biocombustíveis.

Vendas

A estratégia para a venda das sementes inclui uma triangulação com a ponta compradora. “Vamos oferecer a semente para o produtor vinculado a uma demanda existente de uma empresa”, disse. A empresa já vende suas sementes na Índia, México, Guatemala e Colômbia. Nestes países, a SG tem parceria com a Bunge, que compra a produção. Segundo Haney, a parceria pode ser estendida para o Brasil.

O grande desafio da empresa será mudar a percepção do produtor, já que muitos deles plantaram o pinhão manso “selvagem” e não conseguiram bons resultados. A diferença, diz, é que o pinhão manso oferecido pela empresa foi selecionado via processos de hibridação, “e não se comporta como o encontrado no Brasil, que não tem um desempenho estável”.



Tags: SG Biofuels, biocombustíveis, biodiesel, pinhão manso.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência