Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 03/06/2011 | 16h27

Depois do tornado, um 6º lugar no Baja para a FEI

Equipes brasileiras perderam o fôlego na final em Kansas.

Automotive Business

Redação AB

Não foi apenas o tornado Joplin que atrapalhou o desempenho das equipes brasileiras no Baja Kansas, promovido nos Estados Unidos pela SAE Brasil. Na chegada à região, os ventos chegaram a balançar a equipe da Universidade Federal de Pernambuco (Mangue Baja UFPE), que ficou bloqueada na estrada.

“Fomos recebidos em hotéis sem água, gás, eletricidade falhando, muita chuva e vento, sem local para comer”, disse Ronaldo Bianchini a Automotive Business. As fotos que ele trouxe são impressionantes: há cenas de destruição como se tivesse acontecido um bombardeio pesado: carros, caminhões e carretas literalmente voaram e mais de duas mil construções foram arrasadas.

A equipe da Escola Politécnica da USP (Poli Fenix) buscou refúgio em um abrigo logo depois das sirenas darem o alarme de tornado no dia 25, uma quarta-feira. Depois do impacto inicial e do susto, na sexta-feira os Bajas brasileiros estavam montados, brilhando, prontos para o início das provas estáticas. Começam com uma vantagem: receberam as melhores notas nos relatórios de custos, recebendo 15 pontos cada uma. Na lista, outras sete equipes levaram 14 pontos. "Em meio a todas as dificuldades, as três equipes brasileiras passaram pelo desafio de enviar relatórios de custos e dos projetos, além dos próprios carros", disse Bianchini.

A final aconteceu domingo, 29, e os ventos também não sopraram a favor durante o enduro. Mesmo partindo na dianteira, as equipes brasileiras foram duramente afetadas com os obstáculos de concreto, troncos, piscinas de lama e uma bela rampa seguida de mais uma piscina.

A FEI Baja vinha entre os ponteiros até 30 minutos do final quando uma avaria na transmissão obrigou a uma parada longa. A Poli Fenix foi mais resistente às dificuldade da pista, mas um voluntário quebrou o sistema de partida do motor, obrigando o seu retorno aos boxes e causando perda de tempo precioso. O Mangue Baja UFPE sofria constantemente na saída de uma das piscinas e acabou ficando fora do enduro.

"A quantidade de vítimas com quebras de suspensão e sistemas de direção foi considerável e o bajas e voluntários mais se assemelhavam a um bloco de lama em movimento", relatou Bianchini.

Para a FEI, restou um sexto lugar na classificação geral.

Foto: o Baja da FEI, mesmo abatido pela lama durante o enduro, ficou com o sexto lugar na classificação geral.



Tags: Baja, SAE, FEI, Poli, Universidade Federal de Pernambuco, tornado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência