Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 07/06/2011 | 13h02

Ethanol Summit: Belini defende carro flex

A partir de fatos históricos, Anfavea apoia avanço dos veículos movidos a etanol.

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio, AB

Neste segundo dia do Ethanol Summit, que termina nesta terça-feira, 7, no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo, o presidente da Anfavea e do Grupo Fiat, Cledorvino Belini, abriu a seção plenária do evento com o tema "A Cana-de-Açúcar e a Economia de Baixo Carbono". Belini defendeu a utilização dos carros flexíveis e do etanol, apoiando-se em fatos históricos. Lembrou que o Brasil fez os primeiros testes com álcool em automóveis já em 1925 e começou a adicionar álcool à gasolina (de 3% a 5%) em 1931.

O presidente da Anfavea ressaltou também a importância do Proálcool, lançado em 1975. Dez anos depois do programa, 95% dos automóveis saíam de fábrica com motores movidos pelo combustível verde. “A cana-de-açúcar ajuda a reduzir a pobreza no campo e o álcool contribuiu para nossa auto-suficiência na produção energética”, disse Belini. “Não há conflito na produção de álcool e de alimentos”, afirmou.

O vice-presidente de transformações de mercado da WWF, Jason Clay, expôs dados que se opõem à opinião de Belini. Para Clay, é mesmo possível aumentar a produção de álcool, mas é necessário ter mais atenção ao processo produtivo, por conta dos problemas ambientais. Ele usou como exemplo a indústria alimentícia: “25% dessas companhias são responsáveis por 50% do impacto ambiental.”

O ex-ministro do Meio Ambiente, professor José Goldemberg, defendeu o combate ao transporte individual: “Um terço dos problemas ambientais é causado pelo petróleo”, disse. O professor da Universidade de São Paulo apresentou um estudo que mostra o consumo de gasolina e de álcool no Brasil e no mundo e projeta um aumento da utilização de etanol até 2022. Ele ressalta também a superioridade do álcool de cana do ponto de vista ambiental: “O etanol produzido pelos Estados Unidos a partir do milho consome energia elétrica gerada pela queima de carvão, que gera grande emissão de monóxido de carbono”, recorda Goldenberg.

Conheça a história do álcool combustível no Brasil

1925 – Primeiros testes com etanol como combustível veicular;
1931 – Etanol começa a ser misturado na gasolina brasileira;
1975 – Governo lança o Proálcool;
1979 – Têm início as vendas de veículos a álcool;
1985 – Carros a etanol atingem 95% das vendas de veículos no País;
2003 – Primeiro carro flexível (VW Gol 1.6) chega ao mercado;
2010 – Produção de veículos flexíveis atinge 12 milhões de unidades.



Tags: Cledorvino Belini, Anfavea, Ethanol Summit, Jason Clay, José Goldemberg, cana-de-açúcar.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência