Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 17/06/2011 | 09h19

China expande investimentos na Argentina

Aplicações na AL triplicaram em 12 meses, para US$ 15,6 bi.

Agência Estado

Filipe Domingues, Agência Estado

O investimento chinês na Argentina vem se expandindo, na medida em que o país asiático busca matérias-primas usadas na indústria e alimentos para seus 1,3 bilhão de habitantes. Na América Latina o país asiático aplicou US$ 15,6 bilhões no período de 12 meses encerrado em maio, quase três vezes mais do que no ano anterior, de acordo com relatório da consultoria Deloitte. O Brasil recebeu 60% do total e a Argentina quase 40%.

Durante os últimos três anos, mais de 70% do investimento da China na região foi para energia e minerais, mas a agricultura está atraindo mais a atenção do país que busca se expandir em terras estrangeiras. A China já é destino da maior parte da soja exportada pela Argentina - principal cultura e maior receita com exportação dos argentinos. A soja é usada principalmente como ração na China, onde o consumo de carnes está crescendo, conforme aumenta também a renda pessoal. Ao mesmo tempo, a urbanização na China vem diminuindo as áreas de terras cultiváveis.

Na semana passada, a maior companhia agrícola da China, a Heilongjiang Beidahuang Nongken Group, fechou acordo para formar joint venture com a argentina Cresud, visando a comprar terras e lavouras de soja. A Cresud é uma das maiores empresas de agricultura da Argentina e controla mais de 1 milhão de hectares de terras, nas quais produz grãos, gado e leite.

A incursão da Heilongjiang Beidahuang na agricultura ocorre na esteira de pesados investimentos de chineses no setor petrolífero da Argentina. Em fevereiro, a Occidental Petroleum vendeu seus ativos locais para a China Petroleum & Chemical por US$ 2,5 bilhões. No ano passado, a chinesa Cnooc, em parceria com a argentina Bridas, fechou a compra de participação de 60% da Pan American Energy, da BP PLC, por US$ 7,1 bilhões.

A caça da China às matérias-primas também chegou à mineração, com a MCC Minera Sierra Grande, unidade da estatal chinesa China Metallurgical Group. Ela comprou a mina de ferro Sierra Grande na província de Rio Negro em 2006. A mina, que estava fechada desde 1991, enviou a primeira carga de minério de ferro concentrado para a China em fevereiro deste ano.

A Deloitte prevê que o investimento da China continue chegando à América Latina, mas espera uma diversificação no futuro para outras indústrias, como manufatura, infraestrutura e finanças. Embora esteja crescendo exponencialmente, o investimento da China ainda representa uma parcela relativamente pequena do total de investimento estrangeiro direto (IED) na região. O IED na América Latina cresceu 40% em um ano, para US$ 113 bilhões em 2010, e a expectativa é de que aumente de 15% a 20% neste ano, de acordo com a Comissão Econômica das Nações Unidas para América Latina e Caribe. As informações são da Dow Jones.



Tags: Deloitte, Heilongjiang Beidahuang Nongken, Cresud, investimentos chineses, China Petroleum & Chemical, MCC Minera Sierra Grande.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência