Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 21/06/2011 | 07h49

Embraer: pedidos de 39 jatos somam U$ 1,7 bilhão

Fabricante brasileira está sob pressão para vender seus E-jets

Agência Estado

Clarissa Mangueira e Beth Moreira, Agência Estado

A Embraer, a quarta maior fabricante de aviões do mundo, anunciou nesta segunda-feira, 20, durante abertura da Paris Air Show, na França, que três companhias aéreas e duas de leasing encomendaram 39 jatos regionais, totalizando cerca de US$ 1,7 bilhão. Os pedidos incluem ainda opção de compra de outras 22 aeronaves.

A Embraer, sob pressão para vender seus E-jets, à medida que emergem outros competidores, assinou carta de intenções com a Kenya Airways para 10 encomendas firmes do modelo 190 e opções de compra de outras 10 aeronaves. A companhia espera alcançar um acordo definitivo nas próximas semanas, afirmou o presidente de aviação comercial da Embraer, Paulo César de Souza e Silva.

A Air Astana, do Casaquistão, também encomendou dois jatos regionais da Embraer modelo 190 e opções de compra para outras duas aeronaves. O valor total da encomenda pelo preço de lista é de US$ 85,6 milhões.

A GE Capital Aviation Services (Gecas), empresa de leasing e financiamento de aeronaves da General Electric, encomendou dois E-jets, enquanto a Air Lease Corp. pediu cinco aeronaves, o que leva o número total de aeronaves encomendadas desde o ano passado pela companhia para 30.

A Sriwijaya Air, da Indonésia, encomendou 20 aviões modelo 190 e opções de compra para outros 10. O valor total do negócio a preço de lista é de US$ 856 milhões e pode alcançar US$ 1,28 bilhão se todos os direitos de compra forem exercidos.

Demanda mundial

A Embraer estima que a demanda mundial de transporte aéreo, medida em passageiro-quilômetro transportado (RPK), crescerá a uma taxa média anual de 5,2% até 2030, quando o volume de tráfego atingirá 13 trilhões de RPK. A projeção faz parte do relatório sobre perspectivas para a demanda de aeronaves comerciais com capacidade de 30 a 120 assentos para o período 2011-2030 divulgado nesta segunda-feira.

Segundo a empresa, enquanto a indústria continua se recuperando da crise financeira de 2008, algumas regiões estão liderando a retomada do crescimento e devem emergir como grandes forças econômicas. "A desaceleração foi forte, mas a recuperação está sendo mais rápida do que o esperado", afirma a companhia.

A previsão é de que nos próximos 20 anos, o mercado chinês registrará o maior crescimento, com uma taxa anual média de 7,5%, seguido pela América Latina (7,2%), Oriente Médio (6,9%), Ásia Pacífico (6,1%), Comunidade dos Estados Independentes CEI (5,9%) e África (5,4%). "Em regiões com economias mais desenvolvidas, como América do Norte e Europa, a demanda será menor (3,5% e 4,4%, respectivamente), devido à maturidade destes mercados e a uma recuperação econômica mais lenta", explica.

Novos jatos

A Embraer prevê demanda mundial de 7.225 novas entregas de jatos no segmento com capacidade de 30 a 120 assentos para os próximos 20 anos. Estima-se que o valor de mercado equivalente seja de US$ 320 bilhões. Deste total, 3.125 jatos deverão ser entregues entre 2011 e 2020 e outros 4.100 entre 2021 e 2030.

A companhia detalha que o segmento de aviões de 50 assentos está sendo pressionado pelos preços do combustível e pelas tarifas aéreas reduzidas. No entanto, ressalta, estas aeronaves ainda são essenciais para a alimentação dos principais aeroportos nos Estados Unidos e auxiliarão progressivamente o desenvolvimento da aviação regional em locais como CEI, África e América Latina.

O segmento de 61 a 120 assentos, segundo a Embraer, tem oferecido flexibilidade e melhoria de eficiência às empresas aéreas, por meio do ajuste da oferta de assentos de jatos maiores, substituição de aviões mais antigos, desenvolvimento de novos mercados e crescimento da oferta de assentos nos mercados de jatos regionais.

A fabricante brasileira estima ainda que a frota mundial de jatos com capacidade de 30 a 120 assentos aumentará de 4.225 aviões em 2010 para 8.060 em 2030. "Durante este período, 53% das novas entregas (3.835 jatos) serão introduzidas para sustentar o crescimento do mercado, enquanto 47% (3.390 jatos) substituirão aviões mais antigos", afirma. A empresa estima que em 2030, 835 jatos da frota atual (20%) ainda estarão operando. As informações são da Dow Jones.



Tags: Embraer, E-jets, aeronaves, Paris Air Show, Keny Airways, Air Astana, Gecas, Sriwijaya Air.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência