Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 08/07/2011 | 19h45

Produção de bicicletas tem forte queda no Brasil

Redução do ritmo é explicada pelas importações do setor.

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio

De 2008 para 2010, a produção brasileira de bicicletas passou de 1.098.000 unidades para 617 mil em 2010, redução de 44%. Das quatro fábricas de bikes em Manaus restaram duas.

A Sundown, que chegou a dominar hipermercados e magazines no meio da década passada, desistiu do negócio: “Não temos como produzi-las aqui pela margem de lucro que fica para nós” , disse o atual presidente da companhia, Fernando Buffa, no início de maio.

As importações, no entanto, só crescem. De 2006 para 2010 a alta foi de 422%. No ano passado o Brasil trouxe de fora 255 mil unidades e a estimativa para 2011 é de 40 mil, alta de quase 90%.

A Abraciclo, associação que reúne fabricantes de motos e bicicletas, já tem planos para o setor: “Queremos criar um polo de bicicletas em Manaus. Para isso será preciso rever o Processo Produtivo Básico (PPB), cujas regras estão defasadas, e viabilizar a fabricação local de componentes. Já há um projeto nesse sentido”, afirma Roberto Akiyama, presidente da Abraciclo.

Apesar da queda da produção nacional, o Brasil ainda é o terceiro maior fabricante de bicicletas e o quinto consumidor desse produto. Por causa do real valorizado, o País é importador de componentes com maior valor agregado. Como exemplo, não há produção de câmbios para bicicleta por aqui.



Tags: Abraciclo, Manaus, Fernando Buffa, Sundown, Abraciclo, Roberto Akiyama, bikes, bicicletas, Processo Produtivo Básico, PPB.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência