Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 11/07/2011 | 20h33

MAN toma mercado da Mercedes-Benz

Nem todos aproveitam crescimento das vendas de caminhões

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

O expressivo crescimento do mercado brasileiro de caminhões no primeiro semestre, de 16,9% sobre o mesmo período de 2010, foi aproveitado de maneira bastante desigual pelos fabricantes. Das oito marcas filiadas à Anfavea com fábricas no País, metade registrou avanço superior à média das vendas, três tiveram desempenho inferior e uma, a Scania, observou queda. Em relação ao market share, três perderam e cinco ganharam.

Das que ganharam participação de mercado, chama atenção o desempenho da MAN (com os caminhões Volkswagen), que já liderava as vendas em 2010 e no primeiro semestre ampliou ainda mais sua vantagem, com dois pontos extras de share, de 28,36% para 30,39%, e crescimento dos emplacamentos de 25,2%, quase dez pontos acima da média geral. Ao que parece, preços competitivos e capacidade de atender à demanda com a expansão da fábrica de Resende (RJ) estão fazendo a diferença a favor da MAN.

Por motivos exatamente inversos, a segunda colocada no ranking de vendas de caminhões, a Mercedes-Benz, está perdendo market share. Os emplacamentos da marca na comparação semestre contra semestre avançaram 8,8%, praticamente a metade do crescimento médio do mercado no período, fazendo a participação recuar 1,83 ponto porcentual, de 26,71% para 24,88%.

A concentração de mercado das duas primeiras marcas do ranking mudou pouco do primeiro semestre de 2010 para 2011, passando de 55,08% para 55,27%. Esse ângulo mostra que quem cedeu mais terreno para a MAN foi a Mercedes-Benz.

Na terceira colocação, a Ford Caminhões também avançou abaixo do desempenho médio do mercado: suas vendas cresceram 12% no semestre, quase cinco pontos menos, e houve perda de 0,73 ponto porcentual no share, que desceu de 17,8% para 17,07%. A entrada da nova geração da família Cargo e a saída da versão antiga explica o recuo.

Parte de baixo

Na parte do ranking onde cinco marcas dividem os outros 27,25% do mercado, chama a atenção o expressivo crescimento de 27,7% das vendas da Volvo, que subiu do quinto para o quarto lugar entre as marcas que mais vendem caminhões no País. A Volvo ganhou quase um ponto de participação, saindo de 9,8% no primeiro semestre de 2010 para 10,7% nos últimos seis meses. Boa parte do desempenho positivo pode ser creditada ao caminhão semipesado VM, cujos emplacamentos avançaram 66% no período.

Com avanço acima da expansão do mercado em todos os segmentos, a Iveco foi a fabricante que registrou o maior porcentual de crescimento das vendas no semestre, 49,4%, com destaque para o desempenho de seus semipesados (91%), leves (57%), semileves (41%) e pesados (23,5%), além da entrada na concorrência de seu modelo médio Vertis, que já vendeu 107 unidades nos primeiros seis meses do ano, garantindo à marca condições de competir em todos os nichos com linha full range. Com isso a Iveco subiu uma posição no ranking semestral, da sexta para a quinta colocação, ganhando 1,8 ponto de share, de 6,4% para 8,2%.

A Scania foi a única fabricante de caminhões do mercado brasileiro que não aproveitou o boom de vendas e registrou queda de 11,2% nos emplacamentos em relação ao primeiro semestre de 2010. Assim, despencou do quarto para o sexto lugar do ranking e perdeu 2,4 pontos de participação, declinando de 10,1% para 7,7% dos licenciamentos no período. A Scania não participou do segmento de semipesados este ano e as suas vendas de pesados, o nicho tradicional da marca, também caíram.

Apesar de ter ficado no mesmo sétimo lugar de sempre, as vendas de caminhões da gaúcha Agrale aceleraram 27% no primeiro semestre, mas para apenas 375 unidades. Assim a expansão do share foi mínima, de 0,42% para 0,45% do mercado.

A International, que voltou a participar do mercado nacional somente no fim do ano passado, vendeu 161 unidades de caminhões semipesados e pesados e assim conseguiu participação de 0,19% no período.

Uma novidade do mercado brasileiro de caminhões são os modelos importados, especialmente os chineses Sinotruck. Embora as marcas estrangeiras ainda tenham participação tímida, de apenas 0,36% dos negócios, suas vendas avançaram 31% na comparação semestral 2010-2011.



Tags: Caminhões, Mercado, MAN, Volkswagen, Mercedes-Benz, Ford, Volvo, Iveco, Scania, Agrale, International.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência