Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 12/07/2011 | 16h33

Importadores de veículos revisam projeções para cima

Associados da Abeiva devem emplacar 185 mil unidades este ano e crescer 76%

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A Abeiva, que reúne os importadores de veículos sem fábrica no Brasil, divulgou nesta terça-feira, 12, novas expectativas de vendas para este ano. A entidade projeta o emplacamento de 185 mil carros, crescimento de 76% sobre o resultado de 2010. A previsão anterior era de 165 mil unidades.

As vendas das marcas filiadas à associação registraram retração de 0,5% em junho sobre maio, para 19,1 mil unidades. Apesar da baixa, o volume representa evolução de 147,2% se a base de comparação for o mesmo mês do ano anterior. No semestre, os emplacamentos da Abeiva aceleram 113,1% sobre a primeira metade de 2010, para 90,3 mil unidades.

Avanço dos importados

A entidade aponta que o aumento da presença dos carros importados, que responderam por 23% das vendas entre janeiro e junho, é consequência natural do amadurecimento do mercado interno. “O Brasil está cada vez mais sofisticado e é impossível cobrir todas as demandas só com a produção nacional”, explica Paulo Kakinoff, vice-presidente da associação. Segundo ele, esta dinâmica é típica dos países com indústria automotiva fortalecida, com altos volumes de produção e de vendas.

Os resultados do primeiro semestre também evidenciam outra mudança na dinâmica do mercado: as marcas associadas à Abeiva ganharam participação sobre as importações feitas pelas montadoras instaladas no Brasil. Dos 1,63 milhão de veículos leves comercializados no País entre janeiro e junho deste ano, 76,3% foram produzidos localmente, 18,1% foram importados pelas montadoras e 5,5% foram trazidos do exterior pelas marcas associadas à entidade.

O avanço é considerável, já que a entidade registrou market share de 3,1% no ano passado e de apenas 1,4% em 2009. O aumento de participação foi impulsionado pelo avanço da Kia, que responde por 44,8% das vendas da entidade, e pela ofensiva das chinesas JAC e Chery, que juntas representaram 17,3% das vendas da entidade no semestre com 15,6 mil automóveis comercializados no período.

Kakinoff, no entanto, garante que os importados não vão prejudicar a indústria nacional. “Assim como é utópico acreditar que a produção local pode atender a todas as demandas, também não dá para imaginar que os importadores vão dominar o mercado”, defende. A visão da entidade complementa a de Cledorvino Belini, presidente da Anfavea. Segundo ele, o real desafio da indústria nacional não é impedir o avanço dos importados, mas sim ampliar as exportações na mesma proporção.

Assista à entrevista exclusiva com Paulo Kakinoff, presidente da Abeiva e da Audi para o Brasil:



Tags: Abeiva, importados, importadores, venda, projeção, carro, veículo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também