Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 20/07/2011 | 20h00

Segmento de fundição cresceu 7,7% no primeiro semestre

Alta está abaixo do desejado pela Abifa, associação que representa o setor

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio

Nesta quarta-feira, 20, a Associação Brasileira de Fundição (Abifa) revelou o balanço dos seis meses iniciais deste ano: “A alta no primeiro semestre (ante igual período de 2010) foi de 7,7%. Não foi ruim, mas não estamos satisfeitos porque a produção está distante da nossa capacidade instalada”, afirma o presidente da entidade, Devanir Brichesi (no setor de ferro e aço, essa capacidade estaria em 80% e de no de alumínio, 70%).

“No início do ano, projetamos um crescimento de 10% para 2011. Para atingi-lo, teríamos de crescer 12% ao mês até o fim do ano, o que não ocorrerá”, diz Brichesi, que atribui a dificuldade de maior crescimento do setor “a ações governamentais que não andam”. “Estamos na expectativa, para não dizer agonia.”

Brichesi queixa-se da falta de posições mais claras em relação ao setor produtivo. “É preciso inibir ou criar dificuldades mais ‘ferozes’ às importações.” Segundo a Abifa, mais de 1 milhão de toneladas de fundidos foram importadas em 2010. Ele atribui a lentidão nas decisões à troca de governo e do ministério: “O próprio Pimentel (Fernando, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) já revelou desconforto em relação à falta de definição.”

O impasses estariam ligados às recentes denúncias de enriquecimento ilícito no governo Dilma Rousseff: “A presidente não sabe se salva os políticos ou a indústria.” Além de barreiras à importação, a Abifa pleiteia a redução de encargos trabalhistas: “O gasto com o INSS tem de ficar para o governo”, diz Brichesi. “Queria desonerar a folha em 20%.”

O setor aguarda para agosto um novo programa de governo, o Brasil Maior, a ser lançado pela presidente da República em agosto. O conjunto de medidas visa a melhorar a competitividade da indústria pela desoneração da folha de salários e revisão de regimes tributários especiais. Serão criados incentivos para setores em que ocorre esvaziamento da cadeia produtiva (o têxtil, por exemplo) e também para indústrias de tecnologia da informação e comunicação.



Tags: Abifa, Associação Brasileira de Fundição, Devanir Brichesi, Brasil Maior, Pimentel, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência