Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 26/07/2011 | 10h20

Atraso na renovação do SGP prejudica exportações

Autopeças e equipamentos para transporte foram os mais afetados

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

As empresas brasileiras já começam a perder negócios por causa do atraso na renovação do Sistema Geral de Preferências (SGP) dos Estados Unidos. Com a agenda do Congresso americano cada vez mais complicada, o SGP, que reduz tarifas de importação para alguns produtos dos países em desenvolvimento, expirou no fim de 2010 e até agora não foi renovado.

Na comparação com o primeiro semestre de 2010, a redução mais expressiva foi no segmento de autopeças e equipamentos de transporte exportados para os americanos, com perda de 97% (de US$ 15 milhões para apenas US$ 500 mil).

O levantamento feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela Coalizão da Indústria Brasileira (BIC, na sigla em inglês) em Washington e aponta queda expressiva nas exportações outras categorias de produtos que utilizam o SGP. O envio de máquinas elétricas caiu 27%, passando de US$ 127 milhões para US$ 93 milhões. Os embarques de madeira e artigos que utilizam essa matéria-prima cederam 43%, de US$ 54 milhões para US$ 30 milhões.

“Apesar de ter perdido importância relativa, o SGP é um instrumento importante para ajudar a equilibrar a balança com os Estados Unidos, que hoje é fortemente deficitária”, disse Welber Barral, presidente do BIC e ex-secretário de Comércio Exterior. De janeiro a junho, o Brasil acumula déficit de US$ 4 bilhões com os EUA. Em 2010, o saldo negativo foi de US$ 7,7 bilhões.

“Com o câmbio atual, qualquer benefício é importante”, diz Mário Marconini, diretor de relações internacionais da Fiesp. Ele explica que, sem o SGP, as multinacionais deixam de atender os EUA pelo Brasil e passam a exportar da China ou do México. “Boa parte dos benefícios do SGP é usufruída por empresas americanas no Brasil.”

O SGP existe desde 1974, mas se trata de um benefício unilateral que os EUA podem revogar a qualquer momento. Em 1997, quase 25% das exportações brasileiras para o mercado americano eram feitas via SGP. Em 2010 foram apenas 9,1%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: Agência Estado



Tags: Sistema Geral de Preferências, SGP, Congresso americano, renovação, autopeças, Fiesp, BIC, Coalizão da Indústria Brasileira, máquinas elétricas, madeira, Welber Barral, Mário Marconini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência