Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 11/08/2011 | 10h10

Bancos dos Estados Unidos enfrentam nova ameaça de crise

Bank of America, maior instituição do país, aparece no topo da lista

Agência Estado

Agência Estado

Depois do tombo no mercado de ações, os maiores bancos dos Estados Unidos enfrentam nova ameaça de crise. No topo da lista dos mais vulneráveis está o Bank of America, a maior instituição do país, com US$ 2,265 trilhões em ativos e uma queda de 47% no valor de suas ações desde o início do ano.

Em tentativa de conter o pânico do mercado em torno de seus papéis, o executivo-chefe do banco, Brian Moynihan, se dispôs ontem, dia 10, a debater com 6 mil investidores. O esforço, porém, não trouxe resultado.

O Bank of America teve queda de 10,92% em suas ações no pregão de ontem da Bolsa de Valores de Nova York. Seu desempenho contribuiu para o recuo de 8,21% no índice KBW, medida do desempenho das ações de 24 instituições bancárias do país. Os outros três maiores bancos americanos também viram suas ações despencar. O JP Morgan Chase, com queda de 5,58%; o Citigroup, com 10,47%; o Wells Fargo, com 7,67%.

Os recentes prejuízos não têm sido provocados apenas pelo rebaixamento da avaliação de crédito dos EUA, no último dia 5, pela Standard & Poor’s, nem pelas incertezas em torno da saúde financeira dos bancos europeus. O setor bancário americano carrega a própria lista de dilemas, que contribuiu para a falência de 63 bancos neste ano e de outros 109 em 2010.

O passivo gerado pelos empréstimos imobiliários concedidos sem avaliação criteriosa dos tomadores (o subprime) ainda corrói os lucros das instituições. O desempenho frustrante da atividade econômica - e o risco de nova recessão - adia e dificulta a recuperação do setor. Esses dois fatores empurraram também a corrida pela venda de ações dos bancos na segunda-feira passada.

Naquela manhã, a American International Group (AIG) havia processado o Bank of America por perdas de US$ 10 bilhões resultantes da venda de seguro para hipotecas concedidas pelo banco com base em falsos requisitos. Em relatório à Comissão de Seguros e Câmbio, a agência federal reguladora do setor financeiro dos EUA, o Morgan Stanley antecipou a perda de mais de US$ 600 milhões. Ambos os casos contribuíram para uma queda de 10,7% no índice KBW do dia 8.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Tags: Bank of America, Brian Moynihan, KBW, Standard & Poor’s, subprime, American International Group, AIG.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência