Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 16/08/2011 | 18h25

Tupy: 45% da receita com exportações

Empresa valoriza tecnologia nas vendas externas

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

A Tupy, fundição especializada em ferro de Joinville (SC), encerrou o primeiro semestre de 2011 com receita operacional de R$ 1,047 bilhão, 20% superior à obtida em igual período do ano passado. O lucro líquido foi de R$ 81,4 milhões, equivalente a 8% sobre a receita operacional e 27% superior aos R$ 64 milhões dos primeiros seis meses de 2010. Outro resultado expressivo: as exportações foram responsáveis por 45% da receita.

Nos primeiros seis meses a empresa investiu R$ 104,9 milhões, do total de R$ 264 milhões previstos para 2011, ampliando a capacidade em Joinville e reconstruindo Fundição C, para blocos e cabeçotes de motores, que já funciona com uma linha e estará completa no fim do ano. Para peças automotivas, nova linha de moldagem entrou em operação na Fundição B.

Com a capacidade atual ocupada em quase 100%, em Joinville e Mauá (SP), a empresa abriu no primeiro semestre mais de 800 postos de trabalho, somando 8.890 profissionais.

Evolução

A Tupy tem ações em bolsa desde os anos 70, mas a história no País tem raízes em 1938, com a produção de conexões de ferro maleável para instalações hidráulicas. A empresa concorre com fundições de primeiro nível no mercado global de blocos e cabeçotes e atende projetos de modernização de motores brasileiros, especialmente no segmento diesel, agitada pela vigência da legislação Proconve P7 a partir de janeiro.

Na evolução para P7, que atende normas equivalentes à Euro 5, é preciso adequar o processo de fundição e o projeto de engenharia de produto, em razão de novas condições de combustão e da integração com sistemas de pós-tratamento.

Com as operações de Joinville e Mauá (instalação adquirida da Cofap) a Tupy domina cerca de 80% dos fornecimentos de blocos e cabeçotes para motores diesel no País e 45% entre os veículos leves, a gasolina. O restante das encomendas na área de blocos e cabeçotes é atendido, na maior parte, pela Teksid, do Grupo Fiat.

Para escapar dos efeitos da crise financeira deflagrada em 2008, a Tupy tratou de valorizar os negócios internacionais com a oferta de alta tecnologia. Hoje 60% da produção de blocos e cabeçotes segue para o exterior, apesar de a relação cambial minar a rentabilidade dessas operações.



Tags: Tupy, fundição, ferro vermicular, Teksid, Cofap.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência