Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Carreira | 19/08/2011 | 18h42

Campo de provas da Ford: uma história com mais de 40 anos

Tatuí já foi fazenda de milho e batatas

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio

No fim dos anos 1960, a Ford já testava e desenvolvia veículos no Brasil, mas a dependência de vias públicas limitava essas avaliações. Naquele período, Luc de Ferran e Edgard Heinrich (foto abaixo) eram dois dos engenheiros envolvidos com o desenvolvimento de automóveis. De Ferran havia entrado na Ford como estagiário em 1965 e ocupava o cargo de supervisor de durabilidade e testes especiais. Heinrich atuava como engenheiro-sênior de testes especiais. Também havia começado como estagiário, mas da Willys, incorporada pela Ford em 1967.

De Ferran teve a ideia de adquirir um terreno no Estado de São Paulo onde a Ford pudesse testar seus veículos. Levou-a até a direção da montadora no Brasil, que por sua vez encaminhou a proposta à matriz. A ideia foi bem recebida. Assim, De Ferran e Heinrich passaram a procurar o tal terreno. “Voamos por três meses. Também procuramos na região de Indaiatuba e Atibaia”, conta Heinrich.

Assim que escolheram o local em Tatuí, Heinrich foi incumbido de levar a proposta ao dono das terras, com 4,66 milhões de metros quadrados. “Não me identifiquei como representante da Ford para não prejudicar o negócio. Foram pagos US$ 500 mil. A proprietária era uma mulher que havia herdado as terras. Vivia do cultivo de batata e milho. Morava numa casa sem energia elétrica e retirava a água para o consumo de um grande poço, com quatro metros de diâmetro”, recorda Heinrich.

O campo de provas foi inaugurado somente em 1978, mas bem antes disso, na primeira metade dos anos 1970, foi feita uma pista de terra para pôr à prova o Jeep e a picape “Rural” F-75 com tração 4x4. “Foi um investimento muito baixo para um resultado surpreendente”, recorda. Em 1976, porém, a montadora investiu pesado, US$ 1,6 milhão para as obras do campo de provas, concluídas dois anos depois.

“Vários projetos importantes foram desenvolvidos ali como o Del Rey (1981) e o Escort (1983)”, recorda. “Até 1978 dependíamos de estradas e vias públicas. Fazíamos testes de velocidade máxima em rodovias de acesso ao litoral; contávamos com a cooperação da Polícia Rodoviária, mas o aumento de tráfego cada vez nos expulsava para mais longe”, recorda Heinrich, saudoso.

Mãe e filha juntas

Entre os motoristas de testes atuais de Tatuí há uma história interessante que envolve mãe e filha (foto abaixo). Ângela Silva, de 42 anos, se casou com um caminhoneiro em 1986 e frequentemente tinha de ajudar o marido. Dirigia o caminhão na estrada. Em 2005, ficou sabendo por uma amiga de Bruna, sua filha, que estavam contratando motoristas para o campo de provas.

Elaborou um currículo, enviou e pouco tempo depois foi chamada. Ângela dirige todos os tipos de veículo. Caminhões, picapes, automóveis. “Com as carretas ela faz inveja a muito marmanjo”, disse um dos instrutores. Em 2010 a filha também foi admitida. Bruna tem hoje 23 anos. Ambas trabalham no turno das 7 às 16 horas. O campo de provas não para. Há dois outros turnos, das 16 horas à meia-noite e da meia-noite às 7 horas. “Às vezes dirigimos 200 km/dia, às vezes são 600 km/dia. Depende da rota estabelecida para o veículo”, revela a mãe. A quilometragem diária é menor em trajetos mais acidentados, que exigem velocidade mais baixa.

Edgard Heinrich chegou em Tatuí em 1968 com uma mala US$ 500 mil e comprou a área onde fica o campo de provas; Bruna e Ângela Silva: filha e mãe são motoristas de testes e dirigem o que aparecer pela frente.



Tags: Tatuí, Campo de Provas, Ford, Willys, Luc de Ferran, Edgard Heinrich, Del Rey, Escort, Jeep, F-75.

Comentários

  • PauloRoberto dos S. Poydo

    Sensacional!Magnífico saber do empenho dessas duas pessoas que fazem parte da história da mobilidade e da engenharia no Brasil. Parabéns a querida Ford Motor Company! Triste por saber do desinvestimento no Brasil.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência