Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Carreira | 22/08/2011 | 20h45

Precisa-se de engenheiros ´que gostem de carros`

Brasil forma dez vezes menos esses profissionais que China e Índia

Wagner Gonzalez, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Wagner Gonzalez, AB

A indústria automobilística instalada no Brasil tem uma demanda de engenheiros não suprida pela universidade. Essa foi a principal conclusão do painel “Estratégias para Novos Projetos Automotivos”, evento realizado nesta segunda-feira, 22, dentro da programação do Simpósio SAE Brasil Tendências e Inovação na Indústria Automobilística, em São Paulo, SP. O coordenador Reinaldo Muratori (Mitsubishi) teve como debatedores Egon Feichter (VW), Marco Liccardo (Iveco), Pedro Manuchakian (GM) e Walter Sladek (Mercedes-Benz). Além da formação de novos profissionais foram analisados o posicionamento e a competitividade da engenharia brasileira na indústria global e o impacto da Medida Provisória 540 no setor, entre outros assuntos.

-Confira aqui a cobertura completa do Simpósio Tendências e Inovação na Indústria Automobilística


Em comparação com China e Índia, o Brasil forma anualmente apenas um décimo dos engenheiros diplomados nesses países, ou seja, 30 mil contra 300 mil. Segundo Pedro Manuchakian, vice-presidente de engenharia da GM do Brasil, esse fluxo é pequeno demais para a demanda da indústria nacional: “A engenharia é parte importante na criação de produtos e a indústria vende produtos. Novos engenheiros são muito bem-vindos ao nosso setor, mas é importante que os que venham gostem de automóveis. Quem faz o que gosta faz bem. Quem não faz acaba frustrado.”

Manuchakian lembrou que a indústria automobilística não pode competir com outros setores em itens como salários, por exemplo, mas que há compensações diversas. O dirigente da fábrica de São Caetano do Sul lembrou que o fascínio do setor não diminuiu com o uso cada vez maior da informática no desenvolvimento de projetos: “Hoje em dia trabalha-se muito mais com ferramentas do mundo virtual, mas quem gosta do que faz tem o mesmo prazer em desenvolver um carro na pista como no computador. Se o barulho do motor fizer falta você pode colocar outro nas caixas acústicas…”

Egon Feichter, vice-presidente de desenvolvimento da VW do Brasil, ponderou que na sua empresa encontram-se tanto engenheiros que gostam do trabalho virtual quanto outros que se sentem mais à vontade com o desenvolvimento físico. A realidade, porém, é uma só: “Temos de ter claro que vendemos carros reais.”

Apesar da dificuldade em competir com outros setores da economia no que diz respeito a salários, a atração em mexer com veículos ainda atrai jovens. Outro fator mencionado no debate foi o da sustentabilidade, como explicitou Marco Liccardo, diretor de engenharia na Iveco Latin America: “O item sustentabilidade não é apenas um apelo bonito por sua importância ao meio ambiente. Em uma cidade como São Paulo, em um país como o Brasil, o desenvolvimento do transporte coletivo exige veículos que ofereçam soluções sustentáveis dentro do contexto em que ele funciona.”

Perguntado sobre o fato de o Brasil fabricar apenas carros populares e não ter condições de produzir modelos superesportivos, de luxo e outros que tenham mais tecnologia, Liccardo lembrou que o cliente brasileiro já pede maior conteúdo também no setor de caminhões: “Os consumidores de nossos caminhões já demandam por equipamentos de nova geração. Se nunca chegaremos a 100% de produção local, posso afirmar que o gap atual está sendo reduzido. Nosso desafio maior é adaptar a tecnologia do primeiro mundo às condições do Brasil.”

Trata-se de uma situação cujo caminho inverso é uma realidade. A Mercedes-Benz mantém seis centros de desenvolvimento na Alemanha, Estados Unidos, Índia, Japão e Turquia, além do Brasil e, como informa Walter Sladek, diretor de desenvolvimento de caminhões dessa empresa, esses locais trabalham em total parceria: “O centro instalado no Brasil não só adapta projetos para o nosso mercado como também desenvolve e cria. Atualmente, estamos trabalhando em um projeto de carroceria e chassi para um veículo que será fabricado na Alemanha.”

O desenvolvimento de novos projetos também passa pela cadeia de sistemistas e fornecedores externos. A globalização cada vez maior do setor forneceu outro tema da discussão. Será que o fornecimento de peças e sistemas cada vez mais concentrado está trazendo o perigo da padronização dos novos projetos?

Feichter foi taxativo em demonstrar o contrário: “Sem dúvida temos cada vez menos sistemistas como fornecedores, mas a responsabilidade final do produto é nossa, do fabricante. Meus engenheiros precisam saber tudo sobre o que produzimos.”

Manuchakian, a seu lado, lembrou que embora os sistemistas forneçam para empresas concorrentes, ele tem claro que cada marca tem seus critérios e são eles que devem se adequar às peculiaridades e critérios de cada montadora, “situação que evita essa chance de haver uma padronização nos veículos”.

Apesar da concentração na área de fornecimento, a inovação é mantida como ingrediente dos mais importantes e, no caso da Mercedes, é desenvolvida de acordo com parâmetros bastante claros, como explicou Sladek: “Nosso processo de inovação obedece a metas de legislação, consumo e estratégia. Inovação pode mudar uma plataforma, por exemplo. Um caminhão é uma ferramenta. E uma ferramenta tem uma utilização especial. Para nós, cada caminhão é uma ferramenta especial.”

De forma unânime, os palestrantes aprovaram a proposta da MP 540 criada com o plano Brasil Maior. A intenção é fortalecer o mercado local criando facilidades para que as fábricas brasileiras produzam maior conteúdo de alta tecnologia. Marco Liccardo classificou a proposta como “altamente positiva”, ao passo que Walter Sladek chamou o conceito de excelente. Sobre a proposta, Egon Feichter afirmou: “A VW poderá fazer planos de investimentos para prazos menores que os atuais cinco anos.” Pedro Manuchakian classificou a iniciativa de “salutar”.

Reinaldo Muratori foi quem abriu as maiores perspectivas à indústria nacional: “Vivemos uma fase de ampliação de nossa fábrica em Goiás e já estamos levando vários fornecedores para perto dessa planta. Pretendemos concentrar nossos investimentos em tecnologia local em áreas específicas, como o uso de biocombustíveis.”

Quando perguntados sobre um possível plano B para o caso de o Brasil Maior falhar na obtenção dos resultados esperados, a unanimidade dos palestrantes é menos clara, porém não toca no pessimismo: “Torcemos para que esse plano dê certo”, enfatiza Manuchakian, antes de comentar: “Não acredito que um retrocesso afete a engenharia brasileira”. Egon Feichter pondera: “A capacidade da engenharia brasileira hoje é menor que a da indústria mexicana, por exemplo, mas esse gap está caindo e acredito que mesmo com retrocesso teríamos um crescimento dessa capacidade. Nosso desafio é reduzir essa desvantagem que temos para o México.”

Foto: Ruy Hiza



Tags: Reinaldo Muratori, Egon Feichter, Marco Liccardo, Medida Provisória 540, Pedro Manuchakian, Walter Sladek.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência