Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 23/08/2011 | 19h12

NTC&Logística aponta queda em roubos de carga

Entidade pede punição de receptadores.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

Levantamento da NTC&Logística, divulgado na terça-feira, 23, aponta que os roubos de carga no Brasil apresentaram pequena redução no número de ocorrências e prejuízos em 2010, na comparação com 2009. Segundo a pesquisa, foram registrados 12.850 roubos de cargas em rodovias, volume 5% menor abaixo de 2009. Os prejuízos diminuíram para R$ 880 milhões, ante R$ 900 milhões no ano passado.

A região sudeste foi a que apresentou maior índice de roubo de cargas: 79,94%. Apesar do número expressivo, houve uma redução de 6,20% nas ocorrências. O norte e o centro-oeste foram as regiões que apresentaram a menor taxa deste tipo de crime, com 2,03% e 2,19%, respectivamente. O nordeste representa 7,21% das ocorrências e o sul 8,63%.

“Precisamos combater os receptadores, principais responsáveis por este problema. A NTC&Logística vem trabalhando junto às secretarias de segurança para pedir respostas operacionais para esta questão. Atuamos junto ao Congresso, participando do processo de aprovação de leis para beneficiar o setor”, afirma Paulo de Souza, assessor de segurança da entidade.

Os itens mais visados são produtos de alto valor agregado, como eletroeletrônicos e componentes de informática, além de cigarros, alimentos e produtos farmacêuticos. A pesquisa da NTC&Logística apontou que a maior incidência de roubos acontece em rodovias próximas aos grandes centros urbanos, como São Paulo, onde a movimentação de veículos com mercadorias é maior.

A NTC&Logística informa que vem trabalhando para aprimorar a legislação que pune o crime de roubo de cargas. Segundo a entidade, os projetos que têm o objetivo de atingir diretamente o receptador, seja agravando as penas, seja apreendendo seus bens, fiscalizando os desmanches ou, ainda, por meio da regulamentação do sistema nacional de combate ao roubo de cargas.

O Código Penal brasileiro considera a receptação de produtos roubados um crime leve, com penas máximas de quatro anos. Por se enquadrar nos crimes com menor potencial ofensivo, de acordo com a recente lei nº 12.403/2011, o acusado não terá a prisão preventiva e poderá sair sob fiança determinada pelo delegado de polícia.

Um dos projetos de lei que a entidade vem acompanhando é o 779/1995, que aumenta a pena por receptação, que passaria a ser de quatro a dez anos mais multa. Outra mudança na legislação que a NTC&Logística apoia é o perdimento de bens de quem for flagrado receptando cargas roubadas. A entidade propõe que essa modalidade de crime seja enquadrada na lei 9613/1998, que não trata especificamente sobre o roubo de cargas, mas sobre os crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores.

A NTC&Logística anuncia defender que os desmanches sejam regulamentados, situação prevista no projeto de lei 345/2007, que foi vetado pela Presidente Dilma Roussef. Ela alerta que a lei 121 (Negromonte), que criou o sistema nacional de prevenção, fiscalização e repressão ao furto e roubo de veículos e cargas, ainda não foi regulamentada e, por isso, não tem efeitos legais. Sem a regulamentação, ela não permite a articulação das polícias e dos órgãos da Receita, de todas as esferas públicas, no combate à esta prática criminosa.



Tags: NTC&Logística, roubos de carga, eletroeletrônicos, receptadores de carga, lei Negromonte.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência