Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 24/08/2011 | 05h35

Fiat 500: mínimo e máximo no mesmo carro

De R$ 39.990 a R$ 54.800 o pequeno carro tem público grande

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB
De Miami, Estados Unidos


O mundo é cheio de analogias sobre o máximo contido no mínimo. É nisso que a Fiat quer fazer o consumidor brasileiro acreditar com o novo Cinquecento, ou 500, feito na fábrica da Chrysler em Toluca, no México, com muitas modificações estruturais em relação ao modelo europeu, para atender a legislação de segurança do mercado norte-americano e, por tabela, recomeçar do zero no Brasil, onde carros feitos em fábricas mexicanas são isentos do imposto de importação de 35%. Com isso, a Fiat reduziu o preço do carrinho para R$ 39.990 (versão mais barata com câmbio manual e motor 1.4 Fire EVO flex de 85 cavalos, o mesmo usado pelo Uno, fabricado em Betim) e assim pretende vender entre 2 mil e 2,5 mil unidades por mês de todas as cinco versões – quase o mesmo que vendeu (2,2 mil) em dois anos do modelo importado da Polônia, que custava em torno de R$ 60 mil.

Com o preço pouco inferior a R$ 40 mil, a Fiat fez o 500 descer alguns degraus no mercado brasileiro, passando a competir com outros compactos classificados como “premium” – hatchbacks com motorização acima de 1.0 e melhor equipados com itens de conforto. Desde a versão mais barata, a Cult com câmbio manual, o carro vem com amplo pacote de equipamentos de série, incluindo ar-condicionado, direção elétrica, rádio CD MP3, rodas de liga leve 15”, computador de bordo, acionamento elétrico de vidros, travas e retrovisores, freios com ABS e EBD (antitravamento e distribuição eletrônica), ESP (controle eletrônico de estabilidade), airbags frontais, sinalização automática de frenagem de emergência (ESS) e assistência de partida em subidas (hill holder). E por R$ 3 mil a mais (R$ 42.990) dá para colocar o câmbio automatizado Dualogic.

“Com todos esses equipamentos qualquer concorrente no Brasil (hatches B premium) custam de 9,5% a 21% mais. O 500 tem a melhor relação custo-benefício de seu segmento”, garante o diretor comercial Lélio Ramos. Por isso a marca focou toda a estratégia de marketing do 500 na base do leve-mais-por-menos. O slogan da campanha publicitária é “um carro não precisa ser grande para ser um carrão”.

E a Fiat não economizou na publicidade para transmitir essa ideia: contratou o ator americano Dustin Hoffman, ganhador de dois Oscars, que em um dos comerciais para TV, do alto de seu 1,60 metro de altura, humilha com sua performance o brasileiro Ricardo Macchi, de 1,80. O cachê de Hoffman certamente comprova que a Fiat tem grandes pretensões para seu pequeno carro.



Aliada ao preço menor, a Fiat também aposta na imagem simpática autovendedora de seu minicarro. “Não há quem não sorria ou olhe quando vê passar um Cinquecento”, assegura Carlos Eugênio Dutra, diretor de produto e exportação da Fiat América Latina. Ele diz que pesquisas com consumidores demonstraram que o carrinho teria mais clientes se custasse menos. A resposta a essa aspiração foi dada com a versão de entrada do 500 mexicano, que Dutra espera vender mais de 1 mil unidades/mês.

Dois mundos em um carro

Ao mesmo tempo, a ideia passa longe de abandonar o chamado segmento “cult”, dos minicarros com imagem de luxo, como o Mini e Smart, que há dois anos, assim como o próprio 500, inauguraram esse nicho de mercado no Brasil, com boa rentabilidade para as montadoras. Para esse segmento, as versões Sport (manual ou automática) e a topo de linha Lounge (só automática) custam bem mais, de R$ 48.800 a R$ 54.800 (veja todos os preços listados mais abaixo).

Mas o valor máximo, mesmo na versão mais cara e com maior número de equipamentos de série, pode superar os R$ 58 mil se o cliente quiser incluir pacotes de opcionais como sistema de som de alta fidelidade Bose, teto solar panorâmico elétrico, revestimento de couro dos bancos e airbags adicionais laterais e para os joelhos. Mesmo assim, Ramos calcula que as versões Sport e Lounge responderão por metade das vendas do 500 no Brasil.

As versões Sport de Lounge usam motorização mais potente que a do 500 Cult de 85 cv, e só a gasolina: trata-se do premiado motor 1.4 16V Multiair da Fiat Powertrain, com 105 cv, feito em fábrica da Chrysler nos Estados Unidos. O sistema Multiair controla eletronicamente a admissão de ar no motor, garantindo queima mais eficiente, o que confere potência até 10% maior com consumo até 10% menor. Ambas também podem ser equipadas com câmbio automático de seis velocidades, fornecido pela Aisin, do Japão.

Com essas diferenças na parte de cima da gama, o 500 consegue habitar dois mundos diferentes ao mesmo tempo: o dos carros abaixo dos R$ 40 mil, que são responsáveis por 80% do mercado brasileiro, e dos modelos acima disso, que costumam ter volumes menores, mas garantem rentabilidade maior.



Consumidor exigente

O diretor de produto da Fiat avalia que o 500 mexicano também é uma resposta à elevação do padrão de consumo no Brasil. “O consumidor na América Latina está mais exigente e crítico, quer carros melhor equipados, com itens como direção hidráulica e ar-condicionado”, diz Dutra, lembrando da chegada das marcas chinesas que oferecem tudo isso com preços mais baixos.

Assim a Fiat aposta que o 500 mexicano atenderá novos clientes, que antes não podiam comprar o modelo, mas continuará a conferir status de exclusividade aos seus proprietários. “É um carro para aqueles que gostam de chamar a atenção com conforto”, resume Dutra.

Com esse conceito em mente os comandantes do marketing da Fiat trataram de agregar diferenciais ao carrinho, além de sua própria imagem. O comprador poderá optar por até quatro tipos de revestimento de bancos, além de várias escolhas de estilização externa. “Ao todo são 72 opções de cores e acabamentos”, diz Lélio Ramos.

Outra tacada de marketing é o EcoDrive, um aplicativo para computadores e smart phones, por meio do qual se verifica a performance do motorista e do carro em várias rotas, com o objetivo de calcular a economia de combustível conseguida e assim reforçar os atributos de carro econômico implícito na imagem do 500. Os dados são coletados durante o uso do veículo em um pen drive ou smart phone e depois processados no computador. O programa fornece informações e confere notas para o motorista, dando também dicas de como dirigir gastando menos, como por exemplo usando o cruise control para obter velocidades constantes com menor consumo. Ainda que com relevância questionável, o condutor poderá compartilhar seu desempenho no Facebook e no Twitter. Mais uma comprovação de que o minimalismo do 500 demanda grandes esforços de marketing para fazer com que o mínimo se torne o máximo.

Confira os preços das cinco versões do Fiat 500 (sem opcionais):

• Cult 1.4 Fire EVO 8V (manual):
R$ 39.990

• Cult 1.4 Fire EVO 8V Dualogic: R$ 42.990

• Sport 1.4 16V Multiair (manual): R$ 48.800

• Sport 1.4 16V Multiair (automático): R$ 52.800

• Lounge 1.4 16V Multiair (automático): R$ 54.800



Tags: Fiat, 500, Cinquecento, Toluca, México.

Comentários

  • Maria Inês Bedin

    Nossa, amei esse carro. Puxa, quero esse lindo carrinho. Muito bonito mesmo.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência