Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 24/08/2011 | 06h30

Fiat 500 é carro certo no momento certo, diz Belini

Modelo marca volta aos EUA e é o primeiro Fiat mundial

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB
De Miami, Estados Unidos


O presidente dos grupos Fiat e Chrysler na América Latina, Cledorvino Belini, lembrou do cenário de pós-guerra e de dificuldades econômicas na Europa em 1957, quando foi lançada a primeira versão do Cinquecento, que representou “a esperança da mobilidade com preço acessível”. O carrinho em sua nova geração, hoje fabricado não mais na Itália, mas na Polônia e no México, também é carregado de significado: “É mais uma vez o carro certo no momento certo”, definiu Belini, em alusão à necessidade de reduzir o tamanho de automóveis e motores para economizar combustível e diminuir emissões de gases poluentes e de efeito estufa.

“O Cinquecento mantém o mesmo espírito que garantiu seu sucesso no passado, mas foi reiventado de acordo com as novas necessidades do mundo”, disse Belini durante a apresentação do carro para pouco mais de 200 jornalistas da América Latina, nesta terça-feira, 23. “Enxergamos novas e grandes oportunidades para o carrinho no mundo”, completou Carlos Eugênio Dutra, diretor de produto e exportação da Fiat América Latina.

A nova geração do 500, lançada na Europa em 2007, representou o renascimento da Fiat, que saia então de um período de perigosa instabilidade financeira. O Cinquecento que começou a ser fabricado no início deste ano em fábrica da Chrysler em Toluca, no México, representa a globalização da empresa italiana mais do que qualquer outro modelo da marca, pois é o único vendido no mundo inteiro – e marca a volta da Fiat ao mercado norte-americano, desta vez em associação com a Chrysler, que passou a controlar em junho passado.

Enquanto a fábrica na Polônia continuará atendendo o mercado europeu, do México o 500 seguirá para o resto do mundo, incluindo Américas e China.

Do 500 lançado em 1957 foram vendidas 4 milhões de unidades. Da nova geração, desde 2007 já foram 700 mil. O Cinquecento mexicano vendeu 12,5 mil nos Estados Unidos e Canadá desde que foi introduzido nesses mercados, há três meses. É pouco para o mercado norte-americano, que consome mais de 14 milhões de veículos por ano, mas parece bom número para um carro que mais parece um extraterrestre em terras de carros gigantes.

O desafio do 500 hoje, portanto, é maior do que jamais foi, pois depende da mudança cultural de sociedades acostumadas com os excessos. O tempo dirá se o pequeno carro conseguirá construir mais uma grande história.



Tags: Fiat, 500, Cinquecento, Toluca, México, Estados Unidos, Belini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência