Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 31/08/2011 | 23h00

BC surpreende e corta juro em 0,5 ponto, para 12% ao ano

É a primeira redução da Selic no governo Dilma

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB, com Agência Estado

O Banco Central surpreendeu a maioria dos economistas e cortou a taxa básica de juro da economia (Selic) em 0,5 ponto porcentual, para 12% ao ano. Quase todos os analistas apostavam que o Comitê de Política Monetária (Copom) iria manter a Selic inalterada em 12,5%. Contudo, segundo comunicado divulgado ao fim da reunião desta quarta-feira, 31, pela primeira vez com duas páginas de explicações, o Copom admitiu estar pressionado pela percepção de que a crise deve manter a economia mundial em ritmo lento por “um período de tempo maior do que o antecipado”, por isso decidiu mudar sua política 180 graus.

A decisão, contudo, não foi unânime: cinco dos diretores do BC que integram o Copom votaram pela redução da taxa, enquanto dois defenderam a sua manutenção. Assim foi interrompido o ciclo de alta da Selic, após cinco aumentos seguidos do juro entre janeiro e julho passado, que somaram 1,75 ponto. É a primeira redução na gestão da presidente Dilma Rousseff.

Desde a segunda-feira passada a própria presidente e ministros como Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, e Guido Mantega, da Fazenda, vinham fazendo declarações sobre a possibilidade de cortes do juro. Todos disseram que a gestão abriu espaço para o BC reduzir a taxa com os cortes dos gastos públicos de R$ 10 bilhões, anunciados no início da semana, para aumentar o superávit primário, destinado justamente ao pagamento de juros da dívida pública.

O Copom mudou radicalmente de opinião em 45 dias e entendeu que não havia razão para continuar subindo o juro. Pelo contrário, os diretores do BC mostram que, após meses de trabalho para segurar a alta da inflação e esfriar a economia, agora é necessário acelerar a atividade econômica em reação à crise global. “O Comitê avalia que o cenário internacional manifesta viés desinflacionário no horizonte relevante”, cita o comunicado após a decisão.

Contaminação externa

A principal mudança para na avaliação do BC veio do exterior. O rebaixamento da nota de risco dos Estados Unidos no início do mês deflagrou uma série de revisões para pior das projeções dos economistas sobre o que deve acontecer com a economia mundial nos próximos meses. A percepção geral é que países centrais devem demorar ainda mais para sair da crise e crescer. Para o BC, esse quadro representa maior incerteza da influência externa sobre o mundo e, claro, sobre o Brasil.

“Para o Copom, a transmissão dos desenvolvimentos externos para a economia brasileira pode se materializar por intermédio de diversos canais, entre outros, redução da corrente de comércio, moderação do fluxo de investimentos, condições de crédito mais restritivas e piora no sentimento de consumidores e empresários”, cita o comunicado.

Se economias centrais crescerem menos, a demanda por produtos e serviços brasileiros seguirá fraca. Isso vai reduzir o ritmo da economia doméstica. O Bradesco, por exemplo, prevê que, se a economia mundial crescer 1 ponto porcentual a menos, a expansão no Brasil deve perder pelo menos 0,65 ponto. Menos crescimento reduz a pressão de alta nos preços e diminui a necessidade de elevar o juro para manter a inflação sob controle.

Mesmo sem o quadro externo, o noticiário local já aponta para o fim do ciclo de aperto dos juros. Um dos principais sinais veio do Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), dado que antecipa o comportamento do PIB e mostrou em junho a primeira queda desde dezembro de 2008. No mercado de trabalho, a criação de empregos tem perdido força e o próprio BC divulgou números que mostram desaceleração no ritmo de concessão de empréstimos.

Com isso, a preocupação do BC com a inflação parece ter arrefecido, apesar de o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) seguir em nível elevado. Nos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 6,87%, acima do teto da meta de inflação de 6,5%. Para os próximos 12 meses a expectativa para o IPCA é de 5,47%. Apesar do corte, a decisão mantém a taxa de juros brasileira no topo do ranking mundial, bem à frente de Rússia e Egito (ambos com 8,25% ao ano), Índia (8%), China (6,56%) e Turquia (5,75%). Em economias desenvolvidas, como Estados Unidos, Japão e Grã-Bretanha, a taxa está próxima de zero.



Tags: Banco Central, BC, Selic, juro, Copom.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência