Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Automóveis e Comerciais Leves | 19/09/2011 | 14h54

Decreto atinge em cheio fábrica da Chery

Luis Curi pretende negociar com o governo

Paulo Ricardo Braga, AB

Dados atualizados dia 20 de setembro às 14h50

Paulo Ricardo Braga, AB

Luis Curi, presidente da Chery Brasil (foto), passou parte da madrugada desta segunda-feira, 19, tentando explicar à matriz da montadora chinesa os efeitos do Decreto 7567, de 15 de setembro, que eleva em 30 pontos o IPI de veículos das importadoras que não têm fábrica no Brasil. "Os diretores da empresa vieram ao Brasil, assinaram protocolos, autorizaram a construção da fábrica em Jacareí e, no meio do caminho, mudam radicalmente as regras de conteúdo local", disse. Assim como o executivo, os chineses estão indignados com as iniciativas protecionistas do governo.

"Muitas vezes criticamos os argentinos por mudar as regras do jogo, prejudicando o acordo automotivo bilateral", lembra o executivo. "Agora estamos fazendo algo semelhante". Ele entende que o Decreto 7567 foi preparado sob medida para atender as montadoras associadas à Anfavea, mas acredita que algumas marcas terão dificuldades para se enquadrar nos 65% de conteúdo local. Seria o caso da Honda e da Toyota, por exemplo.

Curi está certo de que muitos empreendimentos ficarão inviabilizados se não houver flexibilidade do governo em aceitar programas progressivos de nacionalização. Ele busca um entendimento com Sergio Habib e a direção da Abeiva para ir ao governo discutir o impacto do decreto e buscar alternativas razoáveis. "Chegamos a um impasse no programa da fábrica em Jacareí", explica. "Em lugar nenhum do mundo é razoável exigir que os carros sejam lançados com 65% de nacionalização, especialmente em tempos de globalização", assegura.

No lançamento da pedra fundamental da fábrica da Chery, em 19 de julho, esteve presente ao site em Jacareí o presidente da Chery Automobile, Yin Tongyue. Na ocasião ele revelou a intenção de trazer cerca de vinte fornecedores da China para complementar a cadeia de suprimentos no Brasil, onde a montadora chinesa começará a produzir. “Nossa intenção é trazer para cá somente empresas que não competem com os fornecedores que já estão aqui”, assinalou.

Curi estima que a montadora deverá ter cerca de 60 fornecedores no Brasil e organizou junto ao Sindipeças um “Chery Day”, para atrair potenciais empresas fornecedoras. Diante do Decreto 7567, ele terá agora de rever o programa de nacionalização se quiser seguir em frente. O plano inicial era sair com 30% e avançar para 50% até 2015, quando o ritmo de montagem chegaria a 150 mil unidades por ano, incluindo os modelos S18 e A13, em versões hatch e sedã.

Decreto afeta projetos e operações

Enquanto fica em xeque a possibilidade de fabricar carros novos no país com 65% de conteúdo local e obedecer outras exigências do Decreto 7567, como efetuar determinadas operações de manufatura e investir 0,5% do faturamento em inovação e tecnologia, os importadores enfrentarão a necessidade de elevar os preços dos carros atualmente comercializadops para compensar a elevação do IPI. Como as margens no segmento costumam ser elevadas, é previsível que os importadores absorvam parte da diferença.

A Chery comercializou no país até o final de agosto 12.780 unidades, conquistando 0,57% do mercado de automóveis e comerciais leves. Segundo ainda dados do Renavam, divulgados pela Fenabrave, a JAC emplacou 14.481 (0,65%), Hyundai 73.847 (com 3,31%, incluindo o caminhão leve produzido em Goiás), Kia 53.917 (2,41%), Haffei 11.514 (0,52%), BMW 7.388 (0,33%), Suzuki 4.301 (0,19%), Land Rover 4.870 (0,22%).

A Abeiva informa que a soma dos veículos importados pelas suas associadas, de janeiro a agosto, somou 129.281 unidades, ou 5,79% do total do mercado interno.

"Junto conosco estão sendo penalizados todos os revendedores das empresas associadas à Abeiva, que somam mais de mil", assinala Curi, que possuia 81 pontos de venda em agosto e pretendia chegar a cem até o final do ano.

O mês de setembro deverá registrar uma elevação no emplacamento dos importadores associados à Abeiva, já que houve uma corrida às compras logo após a edição do decreto. Veículos nacionalizados que não foram faturados para a rede de concessionárias até a publicação do decreto, em 16 de setembro, terão que recolher a diferença no IPI ao serem vendidos aos revendedores. Alertados pelas notícias de bastidores, no entanto, boa parte dos importadores antecipou o faturamento, evitando o pagamento extra."Ficamos ainda com muitos veículos nos pátios", disse Curi.



Tags: Chery Brasil, Luis Curi, Abeiva, Anfavea, JAC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência