Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 28/09/2011 | 18h43

Sem definição do governo, empresas mantêm planos para o Uruguai

Chery, Effa e Kia aguardam formalização da promessa de isentar o país da alta do IPI

Giovanna Rialto, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: fábrica da uruguaia Nordex, que produz o Kia Bongo

Giovanna Riato, AB

Depois do susto causado pelo Decreto 7567, os importadores que montam veículos no Uruguai podem ter um alívio caso o governo cumpra a promessa de isentar os modelos montados no país com índice de nacionalização acima de 35% de pagar mais 30 pontos percentuais de IPI. Chery, Kia e Grupo Effa aguardam agora a formalização do compromisso.

A chinesa Chery monta alguns modelos em regime CKD na região, entre eles o Face e o Tiggo. O primeiro abastece apenas a demanda doméstica, o Chile e a Argentina, enquanto os carros que chegam ao Brasil são importados diretamente da China. Já alguns exemplares do Tiggo uruguaio são vendidos no mercado nacional junto com as unidades vindas da Ásia. O volume trazido do país vizinho representa apenas 5% do total comercializado pela marca no mercado interno.

Se confirmada a isenção do aumento do imposto, a empresa poderia remanejar as exportações do Uruguai para atender ao mercado brasileiro e abastecer os vizinhos com o que é trazido da China. A companhia, no entanto, garantiu para Automotive Business que, sem confirmação do governo, não há nenhuma mudança em curso.

Montagem em Manaus é saída

Sem um cenário definido para os próximos meses, o Grupo Effa, que comercializa os automóveis da Lifan e picapes vendidas com a marca Effa, encontrou uma forma mais certeira de garantir veículos para o mercado nacional. A empresa vai retomar a montagem em CKD na unidade que possui em Manaus (AM). O galpão, já pronto para receber os kits, foi usado por um período curto até o início de 2010, quando a companhia desistiu da região por conta do alto custo logístico para vender as unidades no Brasil e da desvantagem cambial para exportar.

A intenção é montar 450 comerciais leves por mês no espaço a partir de janeiro de 2012. O volume é bem inferior ao necessário para atender a demanda do segmento, que avança junto com as restrições à circulação de caminhões em centros urbanos. Só este ano, a empresa projeta a venda de 22 mil veículos no Brasil, sendo 6 mil da Lifan e 16 mil da Effa Motors.

Com as novas regras, os planos para as duas fábricas que o grupo planeja construir no Brasil, uma própria e outra em sociedade com a chinesa Lifan, podem sofrer mudança. O projeto inicial previa a instalação de uma unidade produtiva em Santa Catarina e outra em Goiás mas há possibilidade de as duas plantas serem levantadas no mesmo estado.

Adaptações na estrutura uruguaia ainda não foram cogitadas pela companhia que, como a Chery, aguarda formalização das determinações. O impacto da confirmação ou não da cobrança dos 30 pontos a mais de IPI será significativo, já que todos os modelos da Lifan são trazidos do país. Entre janeiro e agosto deste ano a companhia vendeu mais de 2,5 mil carros da marca às concessionárias nacionais.

Kia mantém planos para o Bongo

A possível mudança não afeta os planos da Kia, que monta o comercial leve Bongo na fábrica da Nordex, no Uruguai. A companhia produz atualmente 800 unidades do modelo por mês, volume que será ampliado para 1.400 veículos/mês até maio de 2012.

Mesmo se houver necessidade de pagar uma alíquota maior de IPI, a montadora coreana não deve rever a estratégia. Com fila de espera, o Bongo é um dos poucos veículos da marca que não sofreria um impacto forte nas vendas se tivesse o preço reajustado.

Já transferir a montagem de outros modelos para o país vizinho está fora de questão por enquanto. A planta da Nordex, dimensionada para a produção de veículos comerciais, não é capaz de atender a montagem dos automóveis da marca e seria necessário buscar outro parceiro ou instalar estrutura própria no Uruguai.



Tags: Decreto 7567, governo, Uruguai, IPI, Kia, Chery, Effa.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência