Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 05/10/2011 | 12h56

Kia sobe no ranking de vendas

Marca foi a sétima colocada em setembro.

Redação AB

Foto: Picanto

Redação AB

Em meio ao imbróglio que trouxe o Decreto 7567, disciplinando o regime automotivo, a Kia Motors chegou à sétima colocação no ranking de vendas de veículos no Brasil com o emplacamento de 9.054 unidades e uma participação de 3,08% no mercado interno.

Segundo dados da Fenabrave, a marca ficou com 2,41% de participação no segmento de automóveis, logo atrás da Renault (7,55%), Honda (3,11%), Citroën (2,73%) e Peugeot (2,47%). No segmento de comerciais leves a empresa registrou 5,39% de market share, depois da Mitsubishi (7,47%), Hyundai (6,85%), Toyota (6,20%).

Na classificação geral de setembro, a Kia ficou atrás da Fiat (60.477 unidades), Volkswagen (58.859), General Motors (53.670), Ford (25.482), Renault (17.943) e Hyundai (9.178), e à frente da Toyota (8.926), Honda (8.541) e Citroën (7.721), todas com fábricas no País.

José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors, disse em comunicado que a performance traduz o reconhecimento do consumidor brasileiro para com a marca e seus produtos, que considera os mais atualizados do mercado local. Ele enfatiza, ainda, que a rede da marca possui 160 concessionárias, que empregam dez mil profissionais.

Vale destacar que o desempenho da Kia deve ser atribuído também aos efeitos da corrida às compras provocada pelo Decreto 7567, elevando em 30 pontos percentuais o IPI de veículos importados. Como a Kia, algumas marcas decidiram segurar os preços até as novas remessas internadas no País.



Tags: Kia, Hyundai, Honda, Renault, Citroën, Peugeot, Mitsubishi, Toyota, veículos importados.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência