Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 05/10/2011 | 14h39

Lanxess aplica R$ 75 milhões em fábricas e borracha de EPDM

Projetos entram em operação até 2013

Natalia Gómez, para AB

Natalia Gómez, para AB

A multinacional alemã Lanxess, fabricante de especialidades químicas, anunciou na quarta-feira, 5, investimentos de R$ 75 milhões no mercado brasileiro. O aporte será destinado para a construção de duas novas unidades industriais em Porto Feliz, SP, e para o início da produção da borracha de EPDM verde em Triunfo, RS. Os três projetos devem entrar em operação até meados de 2013.

O programa para a construção da fábrica de produtos plásticos em Porto Feliz receberá investimento de quase R$ 50 milhões. A unidade fornecerá duas linhas de alta tecnologia da Lanxess: a Durethan e a Pocan, usadas em componentes de automóveis, como maçanetas, pára-choques, conectores de cabo e tubulações de líquidos de arrefecimento. Com capacidade produtiva anual de 20 mil toneladas, a unidade criará 50 postos de trabalho e deve entrar em operação em meados de 2013.

Segundo o gerente geral da Lanxess para as Américas, Jens-Hendrik Fischer, estes insumos são adequados para a produção de peças de plástico leves, substitutas de componentes metálicos em automóveis, contribuindo com a redução de emissão de gases nos veículos. “Além disso, permitem que montadoras e fabricantes de autopeças obtenham economias por meio de melhor custo-benefício e montagem mais fácil”, afirmou durante coletiva realizada em São Paulo.

A outra unidade que será construída em Porto Feliz produzirá aditivos para borrachas e bladders, também usados no setor automotivo, com recursos da ordem de R$ 25 milhões. A fábrica vai operar no quarto trimestre de 2012, gerando 60 postos de trabalho. A capacidade produtiva será de 2 mil toneladas por ano de Rhenogran, linha de aditivos para borrachas usadas em pneus, elementos de vedação, mangueiras e correias, e cerca de 170 mil bladders ao ano.

Os bladders, feitos de borracha, são inflados no processo de fabricação para colocar pressão no interior dos pneus novos à medida que são vulcanizados no molde que dá forma e propriedades finais aos pneus. Nos últimos anos, os produtores de pneus terceirizaram a produção de bladders, que já atinge nível bladders de 40% em todo o mundo.

EPDM verde

A produção do EPDM verde será iniciada pela companhia a partir do eteno verde fornecido pela Braskem. “Por causa das conquistas do Brasil na área de biocombustíveis, percebemos que este é o lugar ideal para lançar a produção de EPDM de base biológica”, afirmou Gunther Weymans, chefe da unidade de negócios Technical Rubber Products da Lanxess.

O executivo destacou que este será o primeiro EPDM a ser produzido a partir de fontes renováveis. O material será produzido em Triunfo, em unidade que está sendo reformulada pela companhia, com aporte de R$ 5 milhões.

A Braskem entregará a matéria-prima por meio de um gasoduto. A produção começará em novembro deste ano. Hoje a planta da Lanxess em Triunfo produz 40 mil toneladas de EDPM por ano. Os primeiros lotes do EDPM verde, batizado de Keltan Eco, serão de algumas toneladas em novembro, mas a empresa afirmou estar pronta para produzir até 10 mil toneladas por ano para servir o mercado global. Os executivos não informaram quanto será exportado, mas destacaram que o potencial do mercado brasileiro é muito expressivo devido aos crescentes investimentos no setor automotivo no País.

De olho nos emergentes

Os investimentos anunciados pela Lanxess elevarão a participação do Brasil nos negócios do grupo. Há sete anos, a fatia era inferior a 1%, mas agora supera os 10%, com vendas de € 701 milhões em 2010. "Nossas vendas no Brasil no segundo trimestre foram da ordem de € 228 milhões, um avanço de 25% em relação ao mesmo período do ano passado, e estamos no caminho para outro recorde em 2011", afirmou o presidente do Conselho de Administração da Lanxess, Axel Heitmann.

Segundo o executivo, a companhia está confiante de que o crescimento econômico no País deve continuar nos próximos anos, e destacou que os mercados emergentes são uma prioridade nos planos de crescimento da empresa. “Nosso sucesso aqui é em grande parte devido à nossa decisão estratégica antecipada de aumentar os negócios nos países do BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China".

A América Latina corresponde a 14% das vendas mundiais do grupo, enquanto os BRIC representam um terço do total. Heitmann afirmou ainda que a Lanxess continua atenta a oportunidades de comprar empresas no mercado brasileiro.


Diretores da Lanxess no anúncio dos investimentos no Brasil: Guenther Weymans, Anno Borkowsky, Jens Fischer, Axel Heitman, Marcelo Lacerda



Tags: Lanxess, Braskem, produtos químicos, EPDM verde, componentes automotivos, Durethan, Pocan, baldders.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência