Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 21/10/2011 | 17h25

Em parceria com SKF, Universidade de Eindhoven cria suspensão de controle eletromagnético

Tecnologia gera eletricidade a partir das vibrações causadas pela superfície de rodagem

Fernando Calmon, para AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Fernando Calmon, para AB

Conforto de marcha é uma qualidade que todo motorista aprecia e os fabricantes se empenham em atender da melhor forma possível. Em geral, há um dilema: o carro tem suspensão macia e inclina demais em curvas, perdendo estabilidade ou, ao contrário, é bem firme, eficiente em curvas, porém bastante desconfortável em pisos irregulares. Para modelos mais caros já existe suspensão ativa hidráulica, mas, além do preço elevado, o sistema tem respostas lentas em termos de absorção das vibrações da superfície de rodagem.

A fim de diminuir o tempo de resposta pode-se apelar para o controle eletromagnético. No entanto, essa tecnologia só era usada em carros customizados, em especial nos EUA. Nas exibições, chamam a atenção porque o motorista pode controlar cada roda individualmente. É motivo de diversão porque os automóveis dão saltos, se contorcem e simulam os trejeitos humanos ao “dançar” ao som de músicas no ritmo hip-hop.

A brincadeira inspirou a ideia de revolucionar as suspensões convencionais. Um grupo da Universidade de Eindhoven, na Holanda, liderado por Bart Gysen em trabalho de doutorado, apresentou recentemente o protótipo de uma suspensão de controle eletromagnético. A ideia de transformar os movimentos do hip-hop em algo mais útil foi apoiada pela SKF, empresa sueca especializada em rolamentos e mecatrônica, e pela BMW que cedeu um sedã 535i para o programa de testes.

O sistema ocupa o mesmo espaço de um amortecedor convencional. Inclui mola helicoidal passiva, um poderoso atuador eletromagnético, unidade de controle e baterias para que tudo continue funcionando em caso de falha elétrica. Entre os objetivos de desenvolvimento está o aproveitamento das vibrações causadas pela superfície de rodagem para gerar eletricidade e manter as baterias carregadas.

Segundo Gysen, o consumo de energia para o conjunto funcionar é modesto. Mesmo se instalado nas quatro rodas, o pico de consumo é de 500 watts, metade do requerido pelo sistema de ar-condicionado. Uma suspensão hidráulica ativa consome quatro vezes mais energia. No estágio atual, o BMW de teste recebeu um par desses dispositivos nas suspensões dianteiras, trabalhando, entretanto, de forma independente. Um dos desafios é fazer a integração do sistema e garantir o máximo de eficiência.

Quando tudo estiver pronto, a melhora na qualidade de rodagem será superior a 60%. Uma das aplicações mais convenientes alcançará as ambulâncias, que poderão transportar pacientes em velocidade maior e sem a perturbação das vibrações provenientes da pavimentação.

Nos automóveis, o conforto de marcha se tornará excepcional. Os passageiros não terão o incômodo da inclinação da carroceria em curvas, quando o sistema estiver aplicado nas quatro rodas. Manobras evasivas ou de desvio brusco permitirão ao motorista manter o controle do veículo, sem que precise ser classificado como superdotado ao volante ou com habilidade de piloto de competição.

A SKF, que financiou todas as pesquisas e o processo de aperfeiçoamento em curso, iniciou os trâmites de patente e pretende oferecer a nova suspensão de controle eletromagnético para qualquer fabricante interessado. Supõe-se a preço menor que as suspensões ativas atuais.



Tags: SKF, Universidade de Eindhoven, suspensão, eletromagnético.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência