Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 28/11/2011 | 18h34

Justiça isenta Kia de pagar dívida de R$ 1,7 bilhão em impostos

Dívida é da Asia Motors, empresa na qual a Kia teve participação majoritária

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

O Tribunal Regional Federal (TRF) decidiu que a Kia Motors não pode ser responsabilizada por uma dívida de R$ 1,7 bilhão referente a impostos que devem ser pagos pela Asia Motors do Brasil (AMB) - empresa na qual a montadora sul-coreana chegou a deter uma participação majoritária, mas que afirma nunca ter conseguido controlar de fato.

A AMB foi montada em 1993 para importar carros da Coreia do Sul para o Brasil e, três anos mais tarde, aderiu a um programa do governo, o Regime Automotivo, que reduzia as tarifas de importação de companhias que assumissem o compromisso de construir fábricas no País. A AMB, no entanto, nunca construiu a fábrica, o que levou o governo a cobrar da empresa o pagamento dos impostos devidos e multas relacionadas.

A Kia Motors entrou na história porque, em 1997, a AMB formou uma joint venture com a Asia Motors Corporation (AMC), que assumiu uma fatia de 51% na empresa brasileira. Dois anos depois, a AMC foi incorporada pela Kia Motors, o que conferiu à montadora sul-coreana uma participação majoritária na AMB, mas não o controle das atividades da importadora - algo reconhecido pela Corte de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional.

Mesmo assim, o governo continuou relacionando a Kia Motors entre os sócios responsáveis pela dívida tributária da AMB, o que provavelmente não será mais possível com a decisão do TRF.

"O TRF entendeu que a Fazenda não provou que a Kia era responsável pela gestão da AMB nem que havia praticado nenhum ato que a tornasse responsável pela dívida tributária. Isso significa que a Kia Motors não pode ser incluída na cobrança da dívida de quase dois bilhões de reais que as autoridades fiscais estão cobrando da AMB", afirmou a montadora num comunicado.

Um dos advogados da Kia, Fabiano Robalinho, do escritório Sergio Bermudes, disse em entrevista à Dow Jones que existe a chance de um recurso contra a montadora, mas ressaltou que essa possibilidade "é mínima", pois a conclusão sobre a inexistência de provas que justifiquem a inclusão da companhia não pode ser revista em recurso ao STJ.



Tags: Kia Motors, Ásia Motors, Coreia do Sul, Tribunal Regional Federal, TRF, dívida.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência