Automotive Business
  

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 04/01/2012 | 12h55

Ford mostra EcoSport global projetado no Brasil

Carro será vendido em mais de 100 países

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB
De Brasília


A Ford apresentou nesta terça-feira, 4, simultaneamente em Brasília e Nova Déli, na Índia, seu primeiro carro global projetado no Brasil: o novo EcoSport (foto), que chega à sua segunda geração totalmente modificado em engenharia e design, agora com a identidade mundial da marca, abandonando o estilo caixote e adotando traços alongados, com silhueta em forma de cunha, dentro do chamado Kinetic Design (ou “desenho cinético”, que transmite sensação de movimento). O modelo, que inicialmente será produzido na fábrica de Camaçari (BA) e também na Índia e Tailândia, deve começar a ser vendido no mercado brasileiro só a partir de maio ou junho – e passa a ser comercializado gradualmente em mais de 100 mercados no mundo.

Contudo, a Ford decidiu desde já começar a fazer barulho em torno do novo EcoSport, para o qual não só engenharia e design são responsabilidade da subsidiária brasileira, mas também todo o plano global de comunicação e marketing. Assim a globalização parece ter chegado para valer à filial sul-americana da Ford, que dentro do plano estratégico One Ford terá seu portfólio de produtos totalmente globalizado até 2015. O EcoSport é o primeiro desta safra, montado sobre uma nova plataforma global para o segmento B que, segundo calcula o fabricante, até meados desta década responderá pela produção de 2 milhões de unidades/ano em diversos países onde a Ford mantém fábricas.

“Com este novo produto estamos invertendo o processo e exportando daqui do Brasil um projeto vencedor e inovador”, disse Marcos de Oliveira, presidente da Ford Brasil e Mercosul. “A fábrica de Camaçari já é um modelo de produtividade e agora prova que também é um centro de excelência de engenharia”, completou o executivo, lembrando que a Ford mantém na Bahia um de seus cinco escritórios globais de desenvolvimento de veículos. Segundo o executivo, a estimativa é produzir só em Camaçari de 4 mil a 5 mil EcoSport por mês.



Descortesia estratégica

“Não queríamos que um carro totalmente desenvolvido no Brasil fosse mostrado primeiro em outro país e não aqui”, explicou Oliveira sobre a descortesia estratégica da empresa, que desenvolveu o carro em solo brasileiro mas preferiu lançá-lo primeiro no Salão der Nova Déli, na Índia, com a presença do CEO Alan Mulally, que para o evento em Brasília mandou um vídeo gravado, no qual ressaltou o caráter inovador do projeto do EcoSport, lançado no Brasil em 2003: “Depois de vender mais de 750 mil na América Latina, o carro agora será global e tenho certeza que fará o mesmo sucesso, pois mantém as mesmas qualidades que o consagraram”, disse – incluindo o estepe pendurado na traseira, algo que a maioria do SUVs (utilitários esportivos) já abandonou nas gerações mais recentes, mas que a Ford preferiu manter no novo EcoSport, mesmo encobrindo uma parte do bonito visual da traseira.

Assim foi realizada a inusitada pré-estreia do novo EcoSport, apresentado à imprensa brasileira e argentina enquanto o modelo antigo ainda continua em produção, algo que qualquer montadora evita ao máximo fazer para não perder vendas. Por isso a empresa ainda não confirmou quando exatamente o novo carro estará nas concessionárias da marca, mas não deve passar do primeiro semestre em nome da rentabilidade, já que a partir de agora os velhos EcoSport vão perder valor de venda.



Tags: Ford, globalização, portfolio, EcoSport, Marcos de Oliveira.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência