Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 18/01/2012 | 21h32

BC reduz juro para 10,5% ao ano

Copom cortou Selic em 0,5 ponto

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

Em seu primeiro encontro do ano, como já era amplamente esperado pelo mercado o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu na noite da quarta-feira, 18, reduzir a Selic em 0,5 ponto porcentual, para 10,5% ao ano. Foi o quarto corte seguido no mesmo ritmo de 0,5 por reunião.

Em seu tradicional e curto comunicado após a reunião, o Copom informou que “um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012”, repetindo o comunicado anterior. A meta de inflação medida pelo IPCA perseguida pelo BC é de 4,5% neste ano, com tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo.

REPERCUSSÃO

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou que o novo corte de 0,5 ponto na taxa básica de juros veio em linha com as avaliações da entidade sobre o desaquecimento da atividade econômica e a tendência de convergência da inflação para o centro da meta. No entanto, a CNI destaca que mesmo após o corte “os juros brasileiros estão acima dos padrões internacionais, evidenciando a existência de espaço para novas reduções”.

“O ambiente internacional de dificuldades das economias europeias continua gerando incertezas e restrição de crédito, o que justifica a atenção do Banco Central brasileiro com a liquidez e o custo do dinheiro no País. A CNI considera ser necessário dar continuidade ao ciclo de redução dos juros, de modo a atenuar os efeitos da baixa atividade mundial na economia brasileira e evitar novo movimento de valorização cambial”, diz a nota da entidade.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) considerou “tímida” a decisão do Copom. “A crise está provocando uma queda no valor internacional das commodities e reduzindo a demanda geral por produtos. Isso gera uma menor pressão sobre os preços. Então está claro que, no Brasil, não teremos pressão da inflação e que, portanto, temos espaço para baixar os juros”, diz a nota da Fiesp, assinada por seu presidente, Paulo Skaf. “Juros menores vão ajudar a produção, a geração de empregos e o desenvolvimento do nosso país”, acrescenta.

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) seguiu a mesma linha de avaliação: considerou que o “ciclo de baixas da Selic abre espaço para retomada do consumo interno mais forte”, mas também taxou como “tímida” a atuação do BC. “Apostávamos em uma queda de 0,75 ponto, até porque existe hoje necessidade urgente de aquecer o mercado interno, já que as vendas de fim de ano mostraram desempenho significativamente tímido em 2011”, destacou em nota o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Júnior. Segundo o dirigente, o corte do juro demonstra que o BC “está trabalhando para colar a política monetária à fiscal, combinando reforço no crédito com desonerações de tributos para o consumo”.

A direção nacional da Força Sindical considerou “tímida e insuficiente para animar o setor produtivo” a redução de 0,5 ponto a taxa Selic, avaliando que o BC deveria ter aproveitado a oportunidade sugerida pelo cenário para aprofundar o corte de juros no País. Em nota assinada pelo presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, a Força lembrou que “o baixo desempenho da economia é resultado da política econômica, que tem mantido os juros em patamares proibitivos para o setor produtivo”.

Logo após o anúncio da redução dos juros básicos, o Banco do Brasil informou que também vai diminuir suas taxas a partir desta quinta-feira, 19. Segundo comunicado, para pessoas físicas, por exemplo, o juro máximo cobrado no cheque especial cai de 8,41% ao mês para 8,37%. No financiamento para a compra de material de construção, a taxa baixou de 2,34% para 2,3%.

A Caixa Econômica Federal também anunciou redução de suas taxas para consumidores e empresas. Em nota à imprensa, a Caixa informa que está diminuindo os juros em até 28,3 pontos porcentuais ao ano em algumas variantes de crédito rotativo e parcelado de cartões para pessoas físicas e em até 1 ponto ao ano as linhas para pessoas jurídicas. As reduções serão aplicadas também ao financiamento de veículos novos e no segmento de médias e grandes empresas, abrangendo linhas como capital de giro parcelado, compra de máquinas e equipamentos.



Tags: BC, Banco Central, Copom, Selic, juro, taxa, economia, política monetária.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência