Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 20/01/2012 | 13h05

Presidente da Fiat argentina pede resgate do ``espírito do Mercosul´´

Cristiano Rattazzi quer que o Brasil e o país vizinho melhorem sua relação

Agência Estado

Agência Estado

A escalada da tensão comercial entre Brasil e Argentina já preocupa os empresários do país vizinho. Com a memória ainda fresca sobre as consequências do bloqueio que a indústria automobilística sofreu, no ano passado, com vários veículos argentinos parados na fronteira, o presidente da Fiat Argentina, Cristiano Rattazzi, apelou para o resgate do espírito do Mercosul. Em entrevista à Agência Estado, Rattazzi opinou que os dois países precisam “limar qualquer tipo de aspereza e resgatar o espírito inicial do Mercosul”.

Segundo o executivo, Brasil e Argentina devem usar ferramentas que permitam a integração total da região “para conquistar outros mercados e fazer acordos de comércio com outros países, em vez de ficar neste mercado fechado”.

Já o presidente da União Industrial da Argentina (UIA), José Ignácio de Mendiguren, adotou um discurso mais alinhado à Casa Rosada ao comentar as declarações do ministro brasileiro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel, de que a “Argentina é um problema permanente”. Mendiguren afirmou: “O Brasil já tem mais de 80 meses de uma balança comercial brutalmente favorável com a Argentina e os números não justificam este tipo de reclamação.”

Em entrevista a uma rádio local, Mendiguren ressaltou: “As exportações do Brasil para a Argentina cresceram acima de 25% no último ano.” Outro empresário comentou que o problema da Argentina é grave porque o país perdeu a competitividade com o Brasil. “O real se desvalorizou uns 20% e o peso, só 8%. Hoje, a Argentina não tem a competitividade que tinha antes com o Brasil. A situação macro é muito diferente que a de um ano atrás, por exemplo”, disse.

O presidente da União Industrial Argentina ressaltou que o cerco contra as importações brasileiras vai gerar graves problemas para as pequenas empresas. “Os bens de consumo já estão faltando e os bens intermédios também. As empresas grandes podem conseguir negociar a liberação das importações dos insumos que necessitam para manter suas produções, mas as pequenas já têm maiores dificuldades para isso”, comentou.



Tags: Cristiano Rattazzi, José Ignácio de Mendiguren, União Industrial da Argentina, UIA, MDIC, Fernando Pimentel.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência