Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 10/02/2012 | 16h00

Kia: ``Cada ponto porcentual no País vale R$ 1,5 bilhão´´

Ary Ribeiro, diretor de vendas, fala sobre o mercado automotivo

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio, AB

Antes de mostrar o Sportage 2.0 com motor flex como o mais novo filhote da família Kia, o diretor de vendas da empresa, Ary Jorge Ribeiro, exibiu uma interessante análise do mercado brasileiro de automóveis, mostrando a queda de participação das quatro grandes (Fiat, VW, Chevrolet e Ford) e o crescimento das francesas, coreanas e chinesas entre 2006 e 2011. “Cada ponto porcentual no mercado brasileiro vale hoje R$ 1,5 bilhão”, estima o executivo.

Durante a apresentação, ele mostrou que em 2006 as quatro grandes detinham 80,9% do mercado brasileiro e terminaram 2011 com 70%. Nesse mesmo período, as francesas passaram de 7,9% para 10,8%, as chinesas foram de zero a 2% e as sul-coreanas, de menos de 0,5% para 5,75%.

“Nos últimos três anos, a Kia apresentou o maior crescimento (mais de 210%) entre as marcas grandes. Em 2011 a alta foi de 41,7%, enquanto o mercado como um todo cresceu apenas 2,9% na comparação com 2010.” Contudo, Ribeiro deixou de mostrar um número negativo: O volume de emplacamentos da Kia em janeiro deste ano foi 40% menor que no mesmo mês de 2011, como reflexo do decreto 7567, que elevou em 30 pontos porcentuais a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis importados. A queda de vendas da Kia foi um retrato fiel do setor de importados, cuja redução foi de 40,9% (dado da Abeiva, que reúne marcas sem fábrica no Brasil). No entanto, Ary Ribeiro precisava de números positivos da Kia e foi com eles que tocou sua apresentação: “Nossa rede passou de 142 pontos de venda em 2010 para 162 em 2011. No ano passado, só não vendemos mais por falta de carro. O Sportage é um exemplo. Muitos queriam a versão topo de linha com pintura branca e não tínhamos para entregar. Venderíamos o dobro se tivéssemos.”

A falta de estoque também comprometeu o desempenho do Cerato, sedã médio que concorre com Toyota Corolla e Honda Civic. “Recebemos um volume razoável no primeiro semestre, mas a Coreia nos avisou que reduziria o envio de carros no segundo semestre.” De acordo com o executivo, esse teria sido o motivo para o carro ainda não ter uma versão flexível, cuja data de chegada ele não soube informar. “Provavelmente este ano”, diz.

Para este ano já é certa a vinda do sedã de luxo Optima. “Chega em março”, garante. Já o modelo Rio parece ter tido seu destino mudado pela nova alíquota do IPI. Em agosto de 2011, antes da publicação do decreto 7567, o presidente da Kia Motors do Brasil, José Luiz Gandini, expressou seu desejo de trazer o Rio em 2012 “para concorrer com o Hyundai i30”. Ribeiro, no entanto, acha pouco provável a vinda do carro pelo volume mínimo necessário (cerca de 1.200 unidades) e pelo investimento elevado em ferramental e treinamento que ele implicaria.



Tags: Sportage, Kia, Optima, Ary Jorge Ribeiro, Cerato, Soul, José Luiz Gandini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência