Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 29/02/2012 | 18h52

Abimaq reduz projeção de alta no faturamento de 2012

Índice passa de 8% para 5%

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

As perspectivas da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) para o desempenho do faturamento em 2012 foram revistas e reduzidas em relação ao projetado no final do ano passado. Antes, era previsto um crescimento do faturamento de 7% a 8%, que caiu para 5%, segundo o presidente da entidade, Luiz Aubert Neto. A redução se deve a dados como o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) de janeiro, que foi de 75,8%, o pior desempenho desde 1990, quando, segundo a Abimaq, a média do ano ficou em 67,8%.

Outro dado classificado como preocupante é o do desempenho da balança comercial do setor que, na previsão de Aubert Neto, deve fechar 2012 com déficit superior a US$ 20 bilhões. "É um outro recorde", disse, referindo-se as resultados comerciais negativos recordes e consecutivos desde 2009. Por conta do câmbio e do alto custo Brasil, a Abimaq vê cada vez mais a indústria brasileira perdendo competitividade. Aubert Neto citou, por exemplo, que o setor teve, em 2011, um aumento de 46% na importação de máquinas agrícolas. “As máquinas importadas chegam no País a um valor que não paga nem mesmo o nosso custo com a matéria-prima”, afirmou, em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira, 29.

QUEDA DE EMPREGO

O fraco desempenho do setor, segundo Aubert Neto, se reflete no número de empregos da indústria de máquinas e equipamentos. Apesar de o ano passado ter mostrado um crescimento de 3,6% do número de vagas em comparação a 2010, desde outubro de 2011 o setor verificou uma perda de 2.322 postos de trabalho. “Perdemos quase 3 mil empregos em relação a outubro, que foi o pico do ano, e não tenho dúvidas de que a tendência é de mais demissões”, disse.

Segundo ele, os setores que estão perdendo mais vagas são os que apresentaram as maiores quedas no faturamento em janeiro. O principal é o de máquinas têxteis. "Ninguém mais fabrica máquinas da indústria têxtil no Brasil. Aliás, nem máquinas se compra. O empresário prefere trazer roupa pronta de fora.”

"Estamos parando nossas máquinas e vendendo as máquinas chinesas aqui no Brasil", disse Aubert Neto. O presidente da entidade se mostrou preocupado com o câmbio e com a possibilidade de o real se valorizar ainda mais nos próximos meses ante a moeda norte-americana por conta da injeção de liquidez no mercado, que tem sido levada adiante tanto pelos Estados Unidos quanto pela Europa. “Esses € 529 milhões que o Banco Central Europeu injetou no mercado vai procurar países com taxas de juros atraentes", afirmou, ao defender taxação pelo governo brasileiro ao capital especulativo que entra no País.



Tags: Abimaq, indústria, máquinas agrícolas, capacidade instalada, Aubert Neto.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência