Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 29/02/2012 | 23h00

México aceita cota e caminhões

Reunião em Brasília termina com progresso e sem acordo

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: Os ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) se reuniram em Brasília com os ministros mexicanos de Relações Exteriores, Patricia Espinoza, e da Economia, Bruno Ferrari, para discutir a revisão do acordo automotivo entre os dois países.(Elza Fiúza/ABr)

Redação AB

Terminou sem definição, mas com alguns progressos, a reunião em Brasília (DF) na terça-feira, 28, entre representantes dos governos do Brasil e México para renegociar o acordo de livre comércio automotivo mantido pelos dois países. Segundo relataram a jornais fontes dos ministérios das Relações Exteriores e do Desenvolvimento (MDIC), os mexicanos aceitaram a imposição de cotas de importação, mas querem entender melhor a fórmula proposta. Também aceitam incluir no acordo caminhões e ônibus, que tinham ficado de fora do tratado anterior. O que ficou sem entendimento foi o índice de nacionalização requerido pelo Brasil para continuar isentando de imposto os carros vindos do México.

Negociadores mexicanos que vieram ao Brasil informaram que o governo brasileiro não formalizou a maneira exata como pretende revisar o acordo atual, com números para cotas nem para o cálculo de conteúdo nacional de cada país. Assim, retornaram ao México na madrugada de quarta-feira, 29, sem um entendimento definido os ministros mexicanos de Relações Exteriores, Patricia Espinoza, e da Economia, Bruno Ferrari, após reuniões com os ministros brasileiros de Relações Exteriores, Antônio Patriota, e do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. A assessoria do Itamaraty informou que as discussões continuam e há perspectiva de um acordo “em breve”. Não há data ainda definida para um novo encontro.

O governo quer estabelecer um regime de cotas parecido com o que mantém com a Argentina, em que o volume de importações isento de imposto depende das exportações. Mas ainda não definiu qual a proporção dessas cotas para cada país.

Sobre o grau de nacionalização, o Brasil quer que o México comprove índice mínimo de conteúdo regional nos carros exportados igual ao do Mercosul, de 60%. Os mexicanos dizem que têm 35%, mas a conta é feita sobre o custo de produção dos veículos, enquanto no Mercosul entra de tudo na conta, inclusive gastos com publicidade, desenvolvimento e salários de executivos. Na prática, fabricantes dizem que os dois porcentuais se equivalem, devido à diferença da base de cálculo. Portanto, essa discussão parece depender mais do poder de convencimento dos negociadores mexicanos de que já teriam o índice que os brasileiros pedem.

CONFLITO

No começo de fevereiro, o governo brasileiro sinalizou o desejo de rever o acordo automotivo assinado com o México em 2002 e flexibilizado no fim de 2006, quando foram eliminadas cotas que o Brasil quer restabelecer. Desde então o volume comercial no setor cresceu expressivamente. Em 2011, o comércio de veículos e peças entre os dois países, no valor de US$ 4,3 bilhões, representou 47% do fluxo comercial entre os dois países. Mas primeira vez em dez anos houve um saldo negativo para o Brasil.

Segundo informações colhidas do MDIC, no ano passado as montadoras brasileiras venderam US$ 512 milhões no mercado mexicano, mas trouxeram de lá US$ 2,07 bilhões em automóveis como VW Jetta; Ford Fusion e New Fiesta; Nissan March, Versa, Sentra e Tiida; Chevrolet Captiva; Fiat Freemont e Cinquecento; e Honda e CR-V. Somando autopeças e veículos, o Brasil exportou para o México US$ 1,81 bilhão e importou US$ 2,51 bilhões, com saldo negativo de US$ 696 milhões.

O movimento acendeu a luz amarela no governo brasileiro, que ameaçou romper o acordo. A presidente Dilma Rousseff acabou conversando com o presidente mexicano, Felipe Calderón, e ambos concordaram em renegociar o acordo automotivo entre os dois países. Em meados de fevereiro as autoridades brasileiras e mexicanas se reuniram para analisar as propostas e um novo encontro foi marcado para o fim do mês, que também terminou sem definições.



Tags: Livre comércio, Brasil, México, acordo automotivo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência