Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 01/03/2012 | 16h55

Autopeças: aumento do ICMS é adiado para maio

Entidades do setor não conseguiram fazer levantamentos para recálculos

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

O governo do Estado de São Paulo prorrogou para 1º de maio a entrada em vigor do aumento da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente para empresas de autopeças, sujeito às regras da substituição tributária. A notícia é do jornal DCI.

As companhias, que deveriam seguir os novos porcentuais a partir desta quinta-feira, 1º, poderiam revertê-los ou diminuí-los, desde que entidades do setor apresentassem à Secretaria da Fazenda do Estado um levantamento de preços, o que não foi feito.

A ampliação do prazo foi publicada na quarta, 29 de fevereiro, e está na portaria da Coordenadoria da Administração Tributária nº 23. O texto reconheceu como pertinente o pedido das entidades representativas do setor em razão das dificuldades para a conclusão das pesquisas de preços.

O texto do DCI recorda que, na prática, a portaria aumenta o Índice de Valor Adicionado Setorial (IVA-ST). Na substituição tributária, o governo responsabiliza apenas um contribuinte (geralmente a indústria) pelo recolhimento de toda a cadeia. O fabricante faz o cálculo do seu imposto e outra conta, secundária, com o imposto dos demais contribuintes, imaginando o preço praticado por atacadistas e varejistas. Nesse último cálculo, acrescenta-se uma porcentagem, obtida com o IVA.

O índice, portanto, soma-se à base do preço de venda do produto para o cálculo do tributo pago pelos componentes da cadeia (atacadista e varejista) por parte do responsável pelo recolhimento, a indústria. Os Estados são responsáveis por divulgar portarias com a porcentagem do IVA.

Na prática, o aumento do IVA acarreta no aumento do ICMS. O índice é incorporado ao preço do fabricante, que coloca no cálculo o valor devido pelos outros contribuintes. Com isso, o atacado vai comprar por valores mais altos em razão do aumento da base de cálculo do próprio tributo.

A regra publicada na quarta-feira altera a Portaria CAT-32, de março de 2008. A nova norma prevê que a base de cálculo para fins de retenção e pagamento do imposto relativo às saídas das mercadorias com destino a estabelecimento localizado em território paulista será o preço praticado pelo sujeito passivo, incluídos os valores correspondentes a transporte, seguro, impostos e outros encargos transferíveis ao adquirente, acrescido do valor adicionado calculado mediante a multiplicação do preço praticado pelo IVA.

Ainda segundo o DCI, os fabricantes de veículos, máquinas e implementos agrícolas ou rodoviários, além de atacadistas de peças, terão o IVA de 62,29%. Ele era bem inferior, de 26,5%. Nos demais casos, o índice subirá de 40% para 79,61%.

Em meados de 2011, a Portaria 92 já previa os aumentos dos percentuais em 1º de março. O governo paulista estipulou que os valores do IVA poderiam ser substituídos por outros, menores, se entidades do setor apresentassem um levantamento de preços.



Tags: ICMS, Coordenadoria da Administração Tributária, IVA, IVA-ST.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência