Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 05/03/2012 | 16h35

Governo prepara aperto em exigências de eficiência energética

Regras sobre consumo vão integrar regime automotivo

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: Paulo Cardamone, diretor geral da IHS Automotive para América do Sul, coordenou os estudos sobre padrões de consumo para o governo

Paulo Ricardo Braga, AB

Automotive Business apurou que, sem alarde, o governo promove estudos para adotar uma legislação de eficiência energética e emissões de CO2 de veículos leves, imprescindível para completar as regras do novo regime automotivo, em próxima etapa, e atender à demanda do mercado por veículos mais eficientes. Um dos objetivos será o alinhamento a padrões globais, incorporando ao programa metas de eficiência definidas pelos ministérios do Desenvolvimento (MDIC) e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), mobilizando a Agência Brasileira para o Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Europa, Estados Unidos e Japão têm legislado sobre o tema há mais de uma década. Para ter uma indústria automobilística competitiva, o País tem de se alinhar às metas internacionais, definidas por governos que se preocupam com a sociedade e o meio ambiente”, analisa Paulo Cardamone, diretor geral da IHS Automotive para a América do Sul, que coordenou os estudos para subsidiar a tomada de decisão do governo sobre padrões de consumo de combustível.

“O Brasil é praticamente o único grande mercado sem legislação de eficiência energética, o que deixa as montadoras locais sem obrigação de adicionar tecnologia aos sistemas de propulsão. O que se buscou até agora foi oferecer motores baratos e não competitivos do ponto de vista global”, alerta Cardamone, explicando que as regras de eficiência energética permitirá que o País volte a concorrer em mercados internacionais.

O programa em discussão, para enquadrar veículos leves, deve ter metas progressivas decrescentes de consumo em quilômetros por litro para etanol e gasolina definidas em curto prazo, embora seja difícil cobrar das montadoras respostas à nova legislação antes de 2015 ou 2016. Haverá benefícios para as marcas que superarem os objetivos e penalidades para as que ficarem abaixo das expectativas, como acontece na Europa e Estados Unidos. Está previsto um sistema de etiquetagem, alinhado à legislação de eficiência energética, tendo como foco o consumidor, dentro de parâmetros técnicos.

NOVOS MOTORES

Pressionada pelo mercado, de um lado, e pela legislação, de outro, a indústria será estimulada a produzir veículos mais eficientes, com incentivos tributários na esfera do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Sabe-se, por informações de bastidores, que a maioria dos fabricantes de veículos já está empenhada em desenvolver novas famílias de motores e implantar novas fábricas. A Ford anunciou aporte em Camaçari (BA), para um motor de três cilindros que equipará a nova geração do compacto Ka. Em Joinville (SC), avançam as obras da unidade da General Motors para powertrain.

A Volkswagen produzirá os novos EA 211 em São Carlos (SP), e a Fiat, depois de promover investimentos na modernização da fábrica de motores de Campo Largo (PR), avalia a melhor solução para abastecer a produção em Pernambuco. A Mitsubishi terá unidade para propulsores em Catalão (GO). A PSA Peugeot Citroën, em parceria com a Bosch, eliminou o tanquinho de seus motores flex e, em segunda etapa, lançará motores de três cilindros eficientes, possivelmente com blocos de alumínio e injeção direta.

Cada montadora vai encontrar a melhor solução para melhorar o consumo e reduzir emissões, na maioria das vezes recorrendo a soluções globais já disponíveis, seja para downsizing ou aplicação de turbo, injeção direta, controle variável de válvulas (VVT), redução de peso de componentes e outras tecnologias avançadas. Os veículos importados, hoje em geral mais eficientes do que os nossos, serão submetidos às mesmas regras.

“O Brasil é praticamente o único grande mercado sem legislação de eficiência energética, o que deixa as montadoras locais sem obrigação de adicionar tecnologia aos sistemas de propulsão. O que se buscou até agora foi oferecer motores baratos e não competitivos do ponto de vista global”, alerta Cardamone, explicando que as regras de eficiência energética permitirão que o País volte a concorrer em mercados internacionais.



Tags: Eficiência energética, MDIC, MCT, Inmetro, Ibama, IHS Automotive.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência