Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 08/03/2012 | 19h39

Demanda por implementos rodoviários caiu 3,2%

Anfir aponta que foram comercializadas 25,7 mil unidades no 1º bimestre

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foto: Rafael Wolf Campos, presidente da Anfir.

Giovanna Riato, AB

As vendas de implementos rodoviários caíram 3,2% no primeiro bimestre de 2012 sobre o mesmo período do ano passado, para 25,7 mil unidades. O dado foi divulgado pela Anfir, associação dos fabricantes do setor, na quinta-feira, 8. A desaceleração foi mais acentuada no segmento de reboques e semirreboques, que registrou retração de 5,2%, com 7,3 mil equipamentos comercializados.

-Clique aqui para fazer download dos dados da Anfir

As vendas da linha leve, de carrocerias sobre chassis, esfriaram 2,4% no acumulado de janeiro a fevereiro, para 18,3 mil implementos. A entidade que representa o setor avalia que os resultados negativos do início do ano são reflexo das medidas macroprudenciais adotadas pelo governo para abrandar o crescimento da economia, que ainda impactam o mercado. “A redução da taxa de juros pode minimizar essa queda, mas não vai resolver”, Rafael Wolf Campos, presidente da organização.

Segundo ele, a maior dificuldade do setor está na restrição ao crédito do BNDES/Finame. Desde o ano passado a linha financia apenas 70% do equipamento. “Isso compromete o fluxo de caixa das empresas e diminui a capacidade de o cliente investir”, argumenta. O dirigente afirma que a mudança do porcentual financiado é parte da estratégia do banco para reduzir a participação dos bens de capital no total negociado. A intenção é transferir o crédito para equipamentos para instituições privadas.

Outro fator que impactou o volume de negócios foi o início do Proconve P7, nova legislação de emissões para veículos comerciais, que entrou em vigor em janeiro. Como os caminhões e ônibus novos são mais caros, muitos clientes anteciparam as compras para o fim de 2011. Com isso, o investimento em implementos foi protelado. “Tivemos um ano excepcional em 2011, com crescimento de 12% e 190,8 mil unidades comercializadas. A partir do fim do ano, no entanto, vimos as vendas caírem”, explica.

EXPORTAÇÕES

Enquanto o mercado interno começou o ano em queda, as exportações de implementos rodoviários avançaram 21% no primeiro bimestre, para 408 unidades. Apesar de expressivo, o avanço é apenas mais um passo para a recuperação. “Já chegamos a exportar 8 mil equipamentos por ano. Hoje estamos muito distantes deste volume”, lembra Campos. Os principais destinos dos implementos produzidos no Brasil são os vizinhos da América Latina e os países da África.

EXPECTATIVAS PARA 2012

Depois de um bimestre de atividades a Anfir definiu dois possíveis cenários para este ano. O primeiro foi desenhado de acordo com a situação atual. Sem o anúncio de nenhuma medida favorável ao setor a produção deve decrescer 2,1% em relação ao resultado de 2011, para 191,9 mil unidades. O emplacamento de reboques e semirreboques cairia 5%, para 56,4 mil implementos, e o de carrocerias sobre chassis somaria 130 mil equipamentos, com queda de 1%. Já as exportações avançariam 4,2% para 5,5 mil unidades.

Para a entidade, esta é a projeção mais realista. “Se não houver uma mudança significativa na nossa política industrial, não fecharemos o ano no azul”, avisa Campos. O executivo avalia que o governo tem dificuldade para criar medidas de estímulo ao setor de bens de capital. As principais demandas dos fabricantes são o financiamento de 100% do valor em prazos maiores, que poderiam chegar a 10 anos. Outro incentivo aos fabricantes nacionais seria a desoneração tributária, já que a participação dos impostos no preço dos produtos chega hoje a 40%, segundo a organização.

Caso o setor receba algum incentivo, a Anfir prevê que a produção alcance 213,8 mil implementos rodoviários em 2012, com alta de 9% sobre o período anterior. No cenário mais otimista, as vendas de reboques e semirreboques chegariam a 61,2 mil unidades, com crescimento de 3%, e a de carrocerias sobre chassis alcançaria 147,1 mil equipamentos, com evolução de 12%. A previsão para as exportações se mantém em 5,5 mil unidades, com crescimento de 4,2%.

Assista à entrevista exclusiva com Rafael Wolf Campos, presidente da Anfir, associação dos fabricantes de implementos rodoviários:



Tags: implementos rodoviários, Anfir, reboque, semirreboque, carroceria, venda, mercado, caminhão, veículo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência