Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 20/03/2012 | 17h14

Abimaq entra na fila por desoneração da folha de pagamento

Com medida, entidade prevê geração de mais 50 mil empregos no setor

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

Em reunião com o ministro Guido Mantega, nesta terça-feira, 20, o primeiro-vice-presidente da Associação Brasileira de Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Cardoso, solicitou ao governo uma alíquota de 1% de contribuição sobre o faturamento, em troca da desoneração da folha de pagamento das empresas. Cardoso afirmou que o setor considera que tem condições de gerar mais 50 mil empregos em dois anos, caso a medida seja adotada.

O representante disse que, em nenhum momento, o ministro falou sobre a garantia da manutenção de emprego, em contrapartida à desoneração da folha.

Segundo Cardoso, simulações feitas pelo setor mostram que a medida traria "muito benefício" ao setor - desoneração das exportações (por conta da folha de pagamentos) e tributação de acordo com a sazonalidade das empresas. "O nosso setor vive uma sazonalidade grande. Quando temos um faturamento alto ou baixo pagamos o mesmo sobre a folha de salários. Agora vamos pagar mais imposto quando o faturamento for mais alto", explicou Cardoso, ao deixar o Ministério da Fazenda, onde se reuniu com o ministro Guido Mantega.

Cardoso disse que o governo informou que irá aumentar a tributação da Cofins para importação de bens de capital, mas não deu detalhes sobre o assunto.

O representante da Abimaq disse que a alíquota de 1% sobre o faturamento beneficia todos os segmentos da cadeia e que em caso de uma alíquota maior precisa ser analisado caso a caso. Segundo ele, em nenhum momento o ministro sinalizou o porcentual que será adotado.

Cardoso disse que o setor emprega diretamente 265 mil pessoas e teve um faturamento de R$ 80 bilhões em 2011.

Na avaliação do executivo, a alíquota de 1% vai trazer competitividade para a indústria de máquinas e equipamentos. "O governo sabe que precisa trazer competitividade ao setor. Estamos no bom caminho", disse. "Achamos que o governo vai atender aos nossos reclamos", acrescentou.

O representante da Abimaq também defendeu a redução dos juros para o Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do BNDES. Segundo ele, em 2009 e em 2010 "o PSI salvou grande parte do nosso faturamento, mas hoje não é uma ferramenta tão importante". Isso porque, explicou, após o auge da crise o governo aumentou as taxas de juros do programa. "Queríamos que as condições especiais retornassem. O PSI para a indústria de bens de capital é sangue na veia", comparou. No lançamento do PSI as taxas de juros eram de 4,5%.



Tags: Desoneração, Abimaq, folha de pagamento, Ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência