Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 22/03/2012 | 18h44

Crise de nervos no mercado de caminhões

Empacam vendas de P7 e fornecedores registram programação em queda

Redação AB

Paulo Ricardo Braga, AB

Com a comercialização de apenas 540 caminhões P7 no mercado interno até 13 de março, de um total de 30,3 mil unidades emplacadas, os fabricantes de veículos comerciais e seus fornecedores estão à beira de um crise de nervos. O que deu errado afinal na estratégia para a mudança na legislação?

A grande maioria dos veículos vendidos no ano corresponde a motores ainda da classe Euro 3 (P5). Embora os pátios das montadoras estejam praticamente limpos desses produtos (caminhão Euro 3 da fábrica deve ser necessariamente faturado para a rede até 30 de março), a rede ainda tem estoques elevados.

A preocupação maior na virada da legislação, em 1º de janeiro, era não haver combustível limpo (Diesel S50) ou Arla 32, agente redutor necessário para atender as tecnologias de pós-tratamento SCR. Os caminhões ficaram prontos a tempo, mas hoje a atenção volta-se para a pequena frota de caminhões P7 em circulação, que não garante o giro do Diesel S50 nos postos. Esse diesel limpo, com menor conteúdo de enxofre, tem vida curta, por causa do biodiesel, sujeito à ação de bactérias. O resultado é a deterioração do combustível.

Enquanto as vendas de caminhões derrapam, fabricantes e seus fornecedores buscam respostas para a hesitação dos frotistas em ir às compras. Para alguns analistas, o avanço nos preços dos veículos seria um obstáculo. Haveria um custo operacional elevado pelo custo extra do Diesel S50 e Arla 32. Ressabiados, os operadores logísticos estariam à espera de referências para fazer as encomendas.

A queda nas vendas e na produção já levou à programação de férias coletivas nas fábricas, como mostrou Automotive Business (leia aqui). O baixo volume de encomendas de componentes, no entanto, representará uma ameaça ao emprego e, em segunda etapa, na retomada do setor.

Dados da Anfavea apontaram recuo de 28,8% no número de caminhões produzidos em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo escreveu Daniela Amorim no Estadão, em janeiro o resultado da produção industrial já tinha sido prejudicado por férias coletivas em quase todo o setor. A paralisação teve o intuito de adequar o parque industrial à exigência prevista na legislação de mudança do motor para o modelo Euro 5, com tecnologia menos poluente. O segmento contribuiu para a queda de 2,1% na produção total do País de janeiro em relação a dezembro e de 3,4% na comparação com janeiro de 2011.

A Anfavea aponta que foram produzidos 11.974 caminhões em fevereiro de 2012, ante 16.806 em fevereiro de 2011. A fabricação de veículos responde por 10% a 11% da taxa da produção industrial; os caminhões têm fatia de 1,5%. Se as novas paralisações nas linhas de montagem ocorrerem de fato, podem contaminar a fabricação de peças, motores e chassis.

ALERTA IGNORADO

Pouca gente deu atenção ao CEO da MAN, Roberto Cortes, quando em outubro do ano passado sugeriu a adoção de um Finame Verde para incentivar a introdução da nova geração de caminhões com powertrain Proconve P7. Os empresários que antecipassem a compra dos veículos com tecnologia equivalente a Euro 5 teriam taxas menores, justificadas pela contribuição ao meio ambiente com menor nível de emissão.

É preciso admitir que não havia muito clima, na época, para o Finame Verde, apesar da sensatez que ele sugeria. O governo, a ANP, a Anfavea, os fornecedores e outros players estavam empenhados em um corrida para fechar o programa P7 e apresentá-lo na Fenatran, assegurando que não haveria um fiasco como o ocorrido na passagem frustrada para Euro 4.



Tags: Proconve 7, Euro 5, veículos comerciais, caminhões, Arla 32, Diesel S50.

Comentários

  • ADILSON JOSE DE QUEIROZ

    Senhores, sou um colaborador da Mercedes Benz do Brasil Ltda, sou Montador, a realidade de hoje é bem diferente dos anos ou crises anteriores, e por mais que culpamos os governantes, os vendedores, os extrategistas de mercados, os diretores e os Presidentes ... mais acreditamos que tudo isso foi um Circo que no ano de 2011 foi montado e agora rasgaram a lona central, é impossivel de se acreditar que homens que percebem salarios 100 vezes mais que um montador, não estavam sabendo que esse quadro iria acontecer, é inconcebivel acreditar que um predio Central com tantos intelectos deixaram a casa cair, e observe que nos ultimos 8 anos as montadoras lucraram o suficiente para se manterem nos próximos 20 anos, só tem um detalhe ... em épocas de vacas gordas os valores são invertidos, tudo é sorriso, prova disso é a falta de investimento verdadeiros, não investimentos para tapar buracos, e hoje mais uma vez nos deparamos com essa maldade.

  • Adilson José de Queiroz

    Não acredito em crises, acredito situações criadas pelos homens que desconhecem a palavra Trabalho, sou um montador de primeira linha da Mercedes Benz do Brasil Ltda, e em 15 anos nunca presenciei uma crise interna ou externa, mas posso afirmar que se não fosse por nós, homens da produção, ela estaria presente com toda sua força, e o quadro hoje sem duvidas seria o mais próximo daquilo que estamos vivenciando. Com certeza nós sabemos que em algum lugar muitas são as pessoas que estão mais milionarias em gerar a tal crise. Gratos

  • Marcelo

    Diretoria incompetente, todo mundo sabia que as vendas seriam antecipadas em 2011, mas me diga como a volks ainda tem estoque de EURO 3 e na Mercedes acabou faz tempo. Planejamento mau feito a anos sabia que a norma mudaria, e preveram isso. A alemanha ja passou a legislação do EURO 5 a muito tempo e como que aqui existe tantos impecilios com esse motor???....a lembrei aqui é Brasil.

  • marcos senra

    O meio ambiente,pagou o preço alto durantes anos.a legislação que socorre o mesmo;tira de uma grande massa de trabalhadores seu sustento.

  • marcos senra

    O meio ambiente,pagou o preço alto durantes anos.a legislação que socorre o mesmo;tira de uma grande massa de trabalhadores seu sustento.sou um trabalhador metalúrgico,que tem como cliente as montadoras,que desde da virada com implantação da nova legislação;sem um planejamento correto;tem causado transtornos a todos colaboradores diretos e indiretos.De uma solução imediata é que precisamos;pois senão outros setores da economia,serão afetados.grato,Marcos-Rio de Janeiro-31/05/2012.

  • Daniel Rodrigues da Silva

    Sou funcionário da Mercedes-Benz, e ficarei em casa até novembro deste ano. Infelizmente apesar do nosso país estar já a um bom tempo em crescimento os nossos políticos ainda são os de antigamente que não fazem nada sem receber em troca e são muito lentos em tomar atitudes para melhorar o mercado digo isto em relação ao novo combustivel Diesel S-50. Continua......

  • Daniel Rodrigues da Silva

    Continuação..... Conheço um amigo que é gerente de postos de combustivel em goiânia-GO e ele me disse que a fiscalização (agentes da ANP) vão lá e não dissem nada a respeito da obrigação de ter o novo combustivel e para agravar a distribuidora de onde compra não tem o novo combustivel para vender e concerteza e o que acontece em todo país, é necessária uma ação em conjunto do Legislativo, a Agência Nacional de Petróleo(ANP) e a Petrobrás(Menida dos olhos do Governo) para que haja este novo combustivel Diesel S-50 na bomba para que realmente o empresário e os caminhoneiros que comprarem caminhões Euro 5 tenham a segurança de que terão o combustivel quando precisarem abastecer. Em quanto isto o trabalhador tem que pagar o pato e ter seu emprego ameaçado. Acorda Brasil!

  • Flávio

    Estamos em Junho de 2012 e nada foi feito por parte do Governo...fabricantes de motores por exemplo estão reduzindo a quantidade de turnos de trabalho, cortando postos de trabalho e sabe-se mais o que está por vir. A verdade é que temos um cenário novo com a utilização do Arla32 e um combustível que é raro de encontrar e em contrapartida não pode ser armazenado por longo tempo (precisa de demanda e alto giro nos postos). Resumindo: novamente o trabalhor sofre na pele por um erro do Governo...concordo que deveria haver incentivos para alguém que compra um produto que polui menos o ambiente (já que este é o motivo para a mudança na legislação).

  • rony vieira dos santos

    bom dia,eu só quero saber uma coisa,tem previsão de melhora dessa crise para caminhoes e onibus

  • Adilson Queiroz

    Hoje 30 de agosto de 2012, quinta feira Mercedes Benz do Brasil Ltda comunica atravez de boletim interno o desejo de dispensar 3.100 empregados pois as vendas dos caminhões não estão acontecendo até o momento atual, gerando um desconforto nos numeros financeiros. Tudo indica que hoje pela manhã havera assembleia na porta da fabrica com o sindicato dos Metalurgicos do ABC. Em resumo dia 3 de setembro a fabrica ficara fechada para definições de novos rumos, rumos esses que só saberemos no decorrer da semana ou no dia seguinte, enfim ... a crise abalou as estruturas e as saidas sempre serão aquelas que ja conhecemos ... dispensa dos funcionarios, lametavel .

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência