Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 28/03/2012 | 05h49

Taxar investimento, um debate no governo

Medida controlaria fluxo cambial, mas afastaria capital estrangeiro

Redação AB

Redação AB

Análise das jornalistas Irany Tereza e Adriana Fernandes, no Estadão desta quarta-feira, 28, aponta que uma proposta de cobrança de alíquotas mais pesadas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre quaisquer transações que envolvam conversão de moeda está em estudos pelo governo. A medida visaria a maior controle do fluxo cambial que entra no País e fiscalização mais efetiva sobre a entrada de capital estrangeiro, contribuindo para elevar a arrecadação federal.

Segundo o jornal, a proposta estaria sendo avaliada pelos ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, mas ainda sem consenso na equipe econômica. Alguns opositores a consideram radical demais, a ponto de afastar o investidor estrangeiro. O Ministério da Fazenda, por meio de sua assessoria de imprensa, negou ontem que haja intenção de generalizar a cobrança do tributo e fez questão de frisar que cabe à Pasta a responsabilidade e atribuição sobre o IOF.

A cobrança de IOF em operações de câmbio tem sido alterada nos últimos anos pelo governo. Na última alteração, elevou de três para cinco anos a cobrança de 6% de empréstimos externos. A intenção foi estabelecer um prazo maior para a permanência dos recursos no País com isenção tributária, evitando a enxurrada de capital especulativo a que a presidente Dilma Rousseff se referiu como um "tsunami cambial".



Tags: Ministério da Fazenda, MDIC, IOF, investimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência