Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Consultoria | 09/04/2012 | 12h20

Regime automotivo não garante mudança estrutural no Brasil

Fórum debate cenário global e papel do País no setor

Sueli Reis, Automotive Business

Paulo Cardamone, da IHS Automotive (foto: Ruy Hizatugu)

Sueli Reis, AB

O Brasil continuará a se posicionar como um dos países mais importantes no contexto global da indústria nos próximos anos, sustentado pela força de seu mercado, mas com a urgência de buscar soluções para aumentar sua competitividade. Este é o grande desafio do País, cujas dimensões foram traçadas pelo diretor da consultoria IHS Automotive, Paulo Cardamone, que apresentou o painel de abertura do III Fórum da Indústria Automobilística, promovido nesta segunda-feira, 9, por Automotive Business . O evento ocorre no Golden Hall do WTC, em São Paulo (SP).

Cardamone apresentou as perspectivas para o mercado mundial de veículos leves, segmento que encerrou 2011 com 75,6 milhões de unidades vendidas em todo o mundo. As projeções apontam para crescimento de 50% ao ano até 2020, com volume estimado em 115 milhões de unidades em 2025. Diante deste cenário, os países integrantes do Brics serão responsáveis por mais de 42% das vendas e aumento na participação global dos segmentos A, B e C. A tendência é de que os veículos híbridos ganhem mais participação que os elétricos, porque estes exigem valor de investimento muito maior. Essa participação deve variar entre 5% e 7% já em 2013, aponta Cardamone.

Os veículos comerciais pesados superaram a crise financeira de 2009, quando as vendas caíram 25%, e mostraram recuperação no ano passado. A projeção, segundo o executivo, é de que haja um crescimento constante por causa da recuperação dos mercados desenvolvidos e, mais uma vez, puxados pelos Brics, que devem investir fortemente nos próximos anos, principalmente em infraestrutura. Espera-se que a demanda global chegue a 4,9 milhões de caminhões em 2025, com aumento da participação de produtos com tecnologia avançada, como híbridos diesel.

Para o mercado brasileiro, a expectativa apresentada por Cardamone confirma as projeções da Anfavea, de 3,5 milhões de unidades em 2012, apesar de “não termos começado o ano como se esperava”. Em 2018, o volume de vendas no Brasil deve chegar a 5,1 milhões de unidades, o que, segundo o executivo, será sustentado por um investimento total de US$ 24,5 bilhões para a produção local.

Entretanto, a postura adotada hoje pelo País, segundo Cardamone, não condiz com os objetivos que a indústria nacional traça para o futuro. “Nós nos escondemos atrás do ataque ao câmbio e ao mercado doméstico brasileiro por não termos executado reformas estruturais no país, no passado recente. Com isso, limitamos a atratividade da indústria para novos talentos e investimentos de alto valor agregado. Ainda estamos na fase de proteger uma indústria ineficiente pela quebra de regras e acordos, privilegiando ações pontuais que potencializam a desindustrialização do setor.”

Para ele, as medidas deveriam ser tomadas visando a regulamentação do custo da matéria-prima, criando incentivo à criatividade e à inovação. “Deveríamos primar pela eliminação do peso fiscal incidente sobre investimentos em equipamentos e bens de capital; criar uma legislação pelo aumento da eficiência energética e segurança dos veículos, combater posições predatórias de curto prazo, como a concentração de vendas e a carga tributária que impedem o acesso do consumidor brasileiro a veículos de nível mundial.” Sobre o novo regime automotivo, Cardamone o avalia como positivo para o desenvolvimento do setor no País, mas que tem a presença de aspectos que podem desencadear o que ele chamou de “Efeito Telma”, Transformação Excessivamente Lenta da Manufatura Automotiva. “As medidas regulamentam sim, mas, mais do que isso, é necessário que o governo regule com maior velocidade e elimine imposto industrial de capital. Hoje o Brasil tem o atrativo de ser um mercado doméstico potencial, no entanto estruturalmente não competitivo em custos.”

Em termos positivos, ele aponta a criação do conselho: “Se o conselho automotivo, formado por representantes do governo, trabalhadores e cadeia produtiva não conseguir definir e levar as medidas necessárias, o que tem que ser feito adequadamente, não sei quem mais o faria”, disse.

Outros aspectos atrasam o objetivo do regime, de desenvolver a indústria com inovação e maior competitividade: o formato das regras que permitirão que as montadoras se habilitem rapidamente, o que não contribui para o avanço do desenvolvimento de conteúdo local; a ausência de foco explícito no cidadão, que diz respeito ao preço dos veículos no Brasil; a falta de definição clara sobre a visão do País para o setor e da visão para a matriz energética; e a tímida redução da carga tributária. Todos estes foram motivos apresentados por ele, acrescentando que outros pontos deveriam ser revisados, como a etiquetagem veicular, cuja meta inicial apresentada no regime é de 25%, diferentemente dos 60% acordados anteriormente.

O FUTURO DO SETOR NO MUNDO

Em sua análise, Cardamone diz que o principal desafio para a indústria automobilística no futuro próximo será o de se adequar às pressões das normas ambientais, nos principais mercados consumidores. Adicionalmente, o movimento de crescimento da urbanização e as mudanças no perfil dos consumidores desafiam o poder criativo e a capacidade de inovação das montadoras para atender às demandas individuais por mobilidade sustentável.

“Pressões crescentes para o aumento da eficiência energética devem aumentar a percepção do mundo sobre as possibilidades da eletrificação dos veículos para solucionar os problemas relacionados ao meio ambiente, sendo, no entanto, que, ao contrário da eletrificação dos sistemas de propulsão, a eletrificação de componentes deve acontecer no curto prazo.”

Para o executivo, o advento de novos sistemas de propulsão após 2025 mudarão a base de fornecedores em todo o mundo, mas as montadoras continuarão liderando a cadeia de valor. Ele alerta que as regiões que não se alinharem à localização da produção tendem a se tornar ilhas de baixo poder de inovação, alto custo e risco.

"O mundo migrará para veículos mais eficientes, mas ainda estamos muito atrás em inovação na comparação com outros mercados, como a Europa, por pura ineficiência na legislação", concluiu.



Tags: Fórum da Indústria Automobilística, regime automotivo, mercado, indústria, competitividade, IHS Automotive, Paulo Cardamone.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência